Follow by Email

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

"SINAIS DO APOCALIPSE OU MERO ACASO?"


Sinais do apocalipse?



























O ano novo passou sem muitas notícias de catástrofes. Entretanto, residentes de uma pequena cidade nos Estados Unidos sentiram que mãe natureza estava enviando alguns sinais do apocalipse.
A cidade de Beebe, no Arkansas, abriga cerca de 1.5 milhões de pássaros melros de asas vermelhas, espécie conhecida por viver em grandes conjuntos. Na noite do ano novo, milhares desses pássaros caíram do céu.
Nos dias seguintes, a cidade foi invadida por especialistas ambientais e jornalistas, que tentavam entender o que havia acontecido. Após examinar o corpo dos animais, cientistas descobriram que eles haviam morrido por traumas, sugerindo que seus voos noturnos foram bagunçados por barulhos de fogos de artifício.
Sem uma boa visão noturna, essa espécie colidiu com os prédios da cidade.
Apesar de esses fenômenos naturais serem geralmente explicados pela ciência, eles continuam a nos intrigar. Aqui vão alguns números desses estranhos eventos da natureza.











A Cymothoa exigua é uma das 382 espécies de “piolho” conhecidas por se grudar na língua dos peixes após entrar pelas guelras. Uma vez lá, os parasitas se alimentam do peixe, comendo sua carne e se alimentando do suprimento sanguíneo.
Os parasitas adultos podem atingir até quatro centímetros, e são mais comuns na costa da Califórnia. Eles não apresentam perigo aos humanos, mas um deles vivo pode dar uma boa beliscada com suas garras, também usadas para grudar na língua do peixe.



SAPOS EXPLOSIVOS


Mais de mil sapos mortos foram encontrados em Altona, na Alemanha, durante poucos dias na primavera de 2005. O ponto de cruzamento dos animais foi apelidado de “lagoa da morte”, para explicar o estranho cenário.

Investigações revelaram que os anfíbios mortos tinham machucados nas costas e o fígado havia sido removido.
Especialistas deduziram que corvos estavam fazendo “cirurgias” para remover o nutritivo órgão sem ingerir a pele venenosa do sapo. Os espertos pássaros atacaram enquanto as vítimas copulavam.
Como defesa natural, os sapos incharam 3.5 vezes mais do que o tamanho normal, mas sem o fígado para impedir os pulmões de continuar expandindo, eles explodiram. O resultado foi entranhas de sapo espalhadas até um metro de distância.

ÁRVORES VERMELHAS


Dezenas de milhões de joaninhas infestaram uma pequena cidade do Colorado, deixando as árvores pintadas de vermelho, em 2009. Foi um ano de excesso de comida para os insetos, devido a condições climáticas anormais.

As joaninhas ficaram nas árvores para encontrar parceiros, e logo se dispersaram após conseguir o que queriam.


CENÁRIO CONGELADO
























Em 2011, cientistas que estavam rastreando bois-almiscarados no Alaska, ficarem perplexos ao notar seus 55 objetos de observação congelados. Os animais vivem no Ártico com duas camadas de pelo e podendo pesar mais de meia tonelada.
Mas essas adaptações foram inúteis quando uma tempestade no mar rachou o gelo superficial, levando os animais a cair na água. Com temperaturas de até -30 graus Celsius na superfície, o gado rapidamente congelou.


PROPORÇÕES BÍBLICAS










































No ano passado, bilhões de gafanhotos invadiram uma área australiana maior do que 500 mil quilômetros quadrados. De acordo com a Comissão Australiana de Pragas de Gafanhotos, o nível chegou a 10 insetos por metro quadrado.
Os animais famintos devoraram plantações inteiras, formando a maior praga em trinta anos. Especialistas culparam as enchentes como um catalisador da explosão populacional, já que os ovos dos gafanhotos precisam de condições úmidas para se desenvolver. Uma vez chocados, os gafanhotos levaram de 6 a 8 semanas para se desenvolver em adultos. E eles vivem até 10 meses, aterrorizando os fazendeiros e gerando um custo estimado de 3,8 bilhões de reais.


TRAGÉDIA NO MAR


Os corpos de oito mil pássaros marítimos se espalharam por mais de 500 quilômetros da costa norte americana, em 2009. Especialistas temiam um vazamento de óleo, mas os pássaros morreram de algum tipo de morte natural.
Um acidente similar aconteceu em 2007, na Califórnia, quando 600 pássaros foram dados como mortos devido a uma “maré vermelha”.
As algas dessa maré produzem uma espuma que não é tóxica, mas acaba matando os pássaros ao grudar em suas penas, arruinando sua proteção e causando hipotermia.
Graças a investigações anteriores, muitos dos pássaros do evento em 2009 puderem ser salvos. 




Postado  por;








***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário