Follow by Email

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

"MÉDICO NOVATO CAUSA MORTE AO RETIRAR FIGADO DE IDOSA EM LUGAR DE RIM CANCEROSO"


Mulher morre após cirurgião novato tentar remover órgão errado.
13 de janeiro de 2012  09h45  atualizado às 11h41



Amy Joyce Francis, 77 anos, morreu em decorrência do erro médico. Foto: BBC Brasil
Amy Joyce Francis, 77 anos, morreu em decorrência do erro médico
Foto: BBC Brasil


Uma idosa britânica morreu após um cirurgião inexperiente tentar retirar inadvertidamente o órgão errado durante uma operação, segundo o resultado de uma investigação divulgado nesta semana.
A contadora aposentada Amy Joyce Francis, 77 anos, seria operada em julho de 2010 para a retirada de um rim afetado por câncer, mas o cirurgião tentou remover seu fígado. A mulher sofreu um ataque cardíaco fatal após perder uma grande quantidade de sangue e morreu no hospital Royal Gwent, no País de Gales.
Segundo afirmou o urologista Adam Carter durante o inquérito, o rim de Francis seria retirado em uma operação por laparoscopia.
Treinamento
Na laparoscopia, é feita apenas uma pequena incisão pela qual são introduzidos câmeras e bisturis, evitando grandes cortes e permitindo uma recuperação mais rápida.
Segundo Carter, como a remoção do rim era em teoria a parte mais simples da cirurgia, ele pediu para um médico em treinamento, que estava acompanhando a operação, fazê-la.
Durante a retirada, porém, o anestesista relatou uma súbita queda de pressão na paciente. Carter disse ter percebido então que o fígado havia sido desligado em lugar do rim. Dois cirurgiões mais experientes foram então chamados à sala de operações para tentar salvar Francis, sem sucesso.
Honestidade
Carter afirmou que como resultado da morte da idosa, os procedimentos cirúrgicos para a retirada do rim por laparoscopia foram levemente mudados em todo o mundo.
Ele disse que já havia realizado esse tipo de operação 20 vezes antes, sem enfrentar problemas. "Durante uma cirurgia laparoscópica para a remoção necessária do rim direito canceroso, o fígado da senhora Francis foi cortado e identificado equivocadamente e inadvertidamente como o rim e catastroficamente partido e danificado, resultando em morte", disse.
O filho da idosa, Alan, elogiou o médico pela honestidade em admitir o erro e afirmou que aceitava as explicações pelo incidente. "Acreditamos que o senhor Carter e sua equipe agiram de boa fé para prolongar a vida de minha mãe", afirmou. "Foi um erro honesto", disse.

Até acho que tenha sido um erro honesto, porém esse chamado erro honesto custou a vida de uma pessoa. Não se pode tampar o sol com a peneira. Uma equipe médico tem que ter certeza de suas ações para não causar danos as vidas dos pacientes como nesse caso em específico. O que não se dá para entender é como uma equipe garante haver feito tal procedimento 20 vezes cometer um erro grotesco de maneira a tirar a vida de uma pessoa, essa equipe teria de ser punidos por seu erro e pagar com cadeia por isso!

Escrito por;






***FRANCIS DE MELLO***

2 comentários:

  1. Essa semana meu medico comentou q algo parecido quase aconteceu com a filha dele,só não foi pior porque ele e a esposa são do mesmo ramo e pediram para ver exames e evitaram o pior que triste isso.Lamentável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu chamo um episódio dessa natureza, de grotesco e desatenção, pouco caso e falta de respeito com as vidas, lamentável sim, mas que médicos como estes tenham direito em estar matando as pessoas em nome da saúdo público ou privado. Isso sim é lamentável, minha amada!

      Excluir