Follow by Email

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

"DILMA É MAIS ECONÔMICA QUE LULA"

Governo Dilma gasta menos com cartões corporativos do que Lula

03 de janeiro de 2012  11h32




Os gastos do governo com os polêmicos cartões corporativos em 2011 foram 43% menores do que os realizados pelos ministérios no último ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. No governo de Dilma Rousseff, as 24 pastas que faziram uso desse tipo de cartão gastaram R$ 45.619.275,28, enquanto que no ano passado, a soma era de R$ 80.079.782,60, o maior valor despendido desde 2002, segundo dados disponíveis no Portal da Transparência. Nesses 10 anos, os cartões somam despesas de mais de R$ 403 milhões.
Os maiores gastos de 2011 foram realizados pela Presidência da República (R$ 12,5 milhões), Ministério da Justiça (R$ 10,3 milhões) e da Educação (R$ 4,3 milhões). O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão ficou em quarto lugar no ranking de maiores gastadores com pouco mais de R$ 3 milhões, valor seis vezes menor do que os mais de R$ 19 milhões que a pasta gastou em 2010.
Os maiores gastos acumulados na conta da presidência em 2011 foram feitos pela Agencia Brasileira de Inteligência (Abin) - R$ 7,9 milhões - e pela Secretaria de administração da Presidência da República presidência (R$ 4,3 milhões). No entanto, a maioria das informações sobre as despesas são sigilosas por questões de segurança. Em 2010, os gastos da Abin somavam R$ 11,2 milhões, já os da secretaria eram de R$ 6,1 milhões.
Dentro do Ministério da Justiça, lideram os gastos as despesas com o Fundo para o Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da Polícia Federal (Funapol) somando R$ 10,1 milhões. No ano anterior, o valor despendido era de R$ 13,7 milhões. As informações também são sigilosas.
Em janeiro, o Ministério Público Federal (MPF) em Brasília solicitou ao Tribunal de Contas da União (TCU) a lista completa dos processos relacionados aos gastos feitos com cartão corporativo da Presidência da República nos últimos 10 anos, incluindo os sigilosos.
Os gastos do Ministério da Educação com cartões coorporativos em 2011 foram realizados, em sua maioria, por universidades. A Federal de Santa Maria (RS) lidera a lista deste ano com R$ 483,8 mil. No entanto o valor é menor do que os R$ 538 mil despendidos no ano anterior pela instituição.
O ministério do Esporte, uma das pastas atingidas pelo escândalo dos cartões coorporativos de 2008, foi a que menos gastou em 2011. As despesas acumuladas neste ano somam R$ 3,8 mil. Em 2010 não foi muito diferente, os gastos eram de R$ 2,4 mil. Para se ter uma ideia, em 2007, ano anterior ao escândalo do uso dos cartões, os gastos eram de mais de R$ 37 mil.
Escândalo dos cartões
O escândalo sobre os gastos com os cartões corporativos veio à tona em 2008, e culminou na queda de Matilde Ribeiro, então ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, por gastos feitos em um free-shop. O ex-ministro do Esporte Orlando Silva também foi atingido e teve que devolver mais de R$ 30 mil aos cofres públicos.
A farra dos cartões foi alvo de uma CPI mista (composta por deputados e senadores) cujo relatório, apresentado em junho de 2008, propôs a prestação de contas por meio de suprimento de fundos, a proibição de saques em dinheiro e a divulgação dos dados sigilosos um ano após o final do mandato de presidente. Em outubro daquele ano, a Controladoria-Geral da União lançou um manual para servidores públicos quanto à utilização dos cartões.
Veja a lista dos gastos feitos pelos ministérios em 2011:
Presidência da República R$: 12.596.374,76
Ministério da Justiça: R$ 10.367.375,76
Ministério da Educação: R$ 4.352.645,76
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão: R$ 3.055.683,55
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: R$ 2.647.531,85
Ministério da Saúde: R$ 2.521.013,51
Ministério do Desenvolvimento Agrário: R$ 2.173.027,57
Ministério da Defesa: R$ 1.770.498,95
Ministério da Fazenda: R$ 1.608.519,26
Ministério do Trabalho e Emprego: R$ 1.229.135,09
Ministério do Meio Ambiente: R$ 678.688,97
Gabinete da vice-presidência da República: R$ 579.579,28
Ministério das Minas e Energia: R$ 452.184,19
Ministério da Ciência e Tecnologia: R$ 410.287,86
Ministério dos Transportes: R$ 270.971,56
Ministério da Integração Nacional: R$ 242.346,35
Ministério das Cidades: R$ 175.085,35
Ministério do Desenvolvimento, Ind. e Comércio Exterior: R$ 136.632,06
Ministério da Previdência Social: R$ 126.071,46
Ministério da Cultura: R$ 78.675,71
Ministério das Comunicações: R$ 54.999,91
Ministério da Pesca e Aquicultura: R$ 44.593,76
Ministério das Relações Exteriores: R$ 43.545,68
Ministério do Esporte: R$ 3.807,08

Terra.



Postado por;



***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário