Follow by Email

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

"PASTOR É CONDENADO À PENA DE MORTE POR APOSTASIA, NO IRÃ"

Irã está enganando a mídia sobre pastor Yousef





Um ministério de missões que tem acompanhado de perto o caso de um pastor cristão iraniano enfrentando a execução, diz que o governo iraniano está tentando confundir e enganar a mídia ocidental com relatos conflitantes.
A agência de notícias Fars, porta-voz oficial do governo iraniano, informou que o pastor Youcef Nadarkhani não está no corredor da morte por apostasia, mas por crimes contra a segurança nacional. Os crimes incluem estupro e extorsão.
As reivindicações foram feitas à Fars por Gholomali Rezvani, vice-governador da província do Irã Gilan. Os Ministérios Present Truth chamaram o relatório de "perplexo e desonesto".
"Nós temos o veredito original escrito tanto pelo Tribunal provincial em Gilan como do ramo da Suprema Corte em Qom que detalha a apostasia", escreveu o ministério em seu site sexta-feira.
Nadarkhani foi preso em 13 de outubro de 2009, depois de protestar contra a decisão do governo de forçar todas as crianças, incluindo seus próprios filhos cristãos, de lerem o Alcorão.
Ele foi inicialmente acusado por protestar, mas as acusações foram posteriormente alteradas para a apostasia e evangelismo aos Muçulmanos. Em 2010, ele foi condenado à morte e a sentença foi confirmada pela Suprema Corte do Irã este ano.
Esta semana, o pastor cristão recebeu a chance de retratar de sua fé em tribunal, mas ele se recusou a fazê-lo e agora aguarda um veredito final, por escrito, o que é esperado em uma questão de dias.
Seu advogado, Mohammad Ali Dadkhah, foi surpreendido pelo novo relatório da Fars, e afirmou que ele só defendeu Nadarkhani contra a sentença de morte no caso de sua acusação de apostasia.
"Se ele está sob julgamento em outro tribunal por outras acusações, eu não estou ciente", disse o advogado da Campanha Internacional para os Direitos Humanos no Irã. "A acusação que o pessoal do tribunal anunciou que eu defendi durante várias sessões diferentes do tribunal foi de apostasia e nenhum outro encargo".
A Fars relatou Rezvani como dizendo na sexta-feira, "O tema do crime e essa sentença de morte do indivíduo não são crenças baseadas e relacionadas à sua religião. Ninguém é executado em nosso regime pela escolha de uma religião, mas ele é um sionista que tem crimes contra a segurança. Neste momento, conduzir a sentença não é uma questão definitiva".
Enquanto Fars acusou a mídia ocidental de produzir relatórios falsos sobre Nadarkhani, o advogado do pastor sublinhou que só esta semana "a acusação de que o tribunal informou-o foi sobre sua apostasia", conforme foi relatado por Campanha Internacional para os Direitos Humanos no Irã.
O Irã está listado como o segundo pior perseguidor de Cristãos no mundo, atrás de Coréia do Norte, pelo Portas Abertas, um ministério que apóia Cristãos perseguidos. O ministério informou no mês passado que o governo iraniano está a intensificar a vigilância sobre os Cristãos e fazer seu melhor para silenciar o movimento crescente da igreja domiciliar lá.
Nadarkhani atuou como líder de um movimento da igreja domiciliares de 400 pessoas em Rasht.
Parlamentares dos EUA e líderes cristãos condenaram o governo iraniano por recusar o direito básico do pastor à liberdade religiosa e pediram sua libertação.
Franklin Graham, filho do evangelista Billy Graham, afirmou na sexta-feira, "é incompreensível para a maioria das pessoas pensar que uma pessoa no século 21 possa ser condenado à morte simplesmente defendendo uma fé que difere da de poderes dominantes de sua nação".
Graham teve palavras duras para a comunidade internacional e seu silêncio.
"Um homem é condenado a ser morto pelo 'crime' de uma crença sincera em Jesus Cristo - uma sentença em clara violação do direito internacional. Então, onde está a indignação internacional?" ele colocou.
"Nós, como cidadãos dos EUA, devemos nos juntar à nossa voz para continuar a pressionar os líderes mundiais a tomar medidas. A vida do Pastor Nadarkhani está pendurada na balança".
A Associação Nacional de Evangélicos também divulgou um comunicado, chamando a ameaça de execução do Irã ao Pastor Nadarkhani de "perseguição religiosa no seu pior"



Notícias Cristãs com informações do Christian Post


Por;



***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário