Follow by Email

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

'O (CNPCP) OFICIALIZA A PROIBIÇÃO DE RECOLHIMENTO DE DÍZIMOS EM PRESÍDIO!

Medida Proíbe Dízimos e Revista Íntima de Religiosos em Presídios



O recolhimento de dízimo e a venda de materiais religiosos dentro de presídios são umas das medidas oficializadas recentemente pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), vinculado ao Ministério da Justiça (MJ).
Segundo o Terra, a partir de agora, todas as práticas religiosas deverão seguir regras comuns aos presidiários, devendo ser, inclusive, cadastradas e comprovar um ano de existência. Os agentes religiosos não precisam mais passar pela revista íntima, e podem usar objetos para os cultos, desde que não apresentem risco para a segurança.
O Ministério da Justiça não possui um levantamento sobre as crenças religiosas dos presidiários. Os dados disponíveis são de pesquisas sócio-criminais realizadas nas penitenciárias federais de Catanduvas (PR) e Campo Grande (MS) que datam de 2005 e 2007.
Na primeira unidade, entre os entrevistados, 57,3%, disseram ser católicos, 22,79%, evangélicos, 17,65%, sem religião, 1,47%, espíritas e, 0,74%, testemunhas de Jeová.
Em Campo Grande, 53,15%, se disseram católicos, 27,19%, evangélicos, 4,5%, espíritas, 3,6%, mulçumanos e 8,1%, não responderam.
Na maioria das unidades prisionais já existe um local destinado para as práticas religiosas, apesar das dificuldades impostas pela arquitetura prisional existente no Brasil.
De acordo com a publicação, uma das religiões mais respeitadas é a cristã evangélica. Quando um preso se converte, passa a fazer parte de um grupo, que convive em áreas diferentes e que conta com uma certa imunidade entre as facções dividas nos pavilhões.

Notícias Cristãs com informações do CP
      
Religião ajuda viúvas idosas a superar o luto, diz pesquisa

De acordo com uma pesquisa da Escola de enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da Universidade de São Paulo (USP), a religião tem se mostrado uma grande aliada de pessoas idosas durante o processo de luto.

O autor da pesquisa, Adriano Luiz da Costa Farinasso, analisou os sentimentos das idosas ao perder o marido e o seu envolvimento com a espiritualidade. Ficou comprovado que tanto a igreja como a religiosidade são combustíveis no processo de superação da perda.
A pesquisa foi aplicada com seis mulheres idosas, com idade igual ou maior que 60 anos, que perderam seus maridos entre um mês e um ano antes do período do estudo, católicas ou evangélicas.
Farinasso verificou que o simples convívio com os integrantes das comunidades que frequentam já traz efeitos positivos às idosas. Ele afirmou também que pesquisas recentes apontam a espiritualidade como um fator benéfico para a saúde, principalmente a mental.
Neste sentido, durante o período de luto, a religião ajudaria a evitar consequências negativas como depressão, doenças físicas e até a mortalidade.

Notícias Cristãs com informações da Agência USP via Vida e Estilo/Terra


***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário