Follow by Email

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Por apenas cinco minutos, meninas do orfanato do milenar monastério da Senhora de Seydnaya, na Síria, salvaram


Monastério cristão na Síria é atacado.



















Por apenas cinco minutos, meninas do orfanato do milenar monastério da Senhora de Seydnaya, na Síria, salvaram a vida de um ataque com foguete contra essa instituição, uma das relíquias de maior valor do cristianismo a escala mundial.
As meninas foram chamadas a almoçar e recém comiam quando sentimos o estrondo. Em princípio não sabíamos que era, até que um trabalhador nos alertou que foi um injustificado ataque", descreveu a Madre Superiora Febronia Nabhan a um grupo de jornalistas.
A ação terrorista aconteceu às 13:30 hora local do domingo. Os moradores da instalação não sabem de onde procedeu, mas estimam pelo impacto contra a parte posterior do prédio que o foguete foi disparado desde o monte que se levanta por trás do pequeno povo de Seydnaya, em Damasco Campo, a 34 quilômetros da capital.
O projétil abriu um furo de quase um metro na grossa parede de blocos de pedra e destruí parte do interior de um dos quartos no nível superior do orfanato onde residem seis meninas.
Administrado pela Igreja Ortodoxa Grega, o convento nunca tinha sido atacado, assinalou Nabhan, quem explicou que na instalação moram umas 100 pessoas, entre elas 25 meninas e adolescentes órfãs , 40 freiras e trabalhadores.
O Monastério da Senhora de Seydnaya foi construído em 547 durante a era bizantina pelo que hoje guarda mil 465 anos de valiosa história e tradição cristã.
Milenares murais alusivos a cenas do cristianismo enriquecem antigas paredes e corredores desta jóia arquitetônica perfeitamente conservada sobre um promontório em um dos vales da Serra da o-Kalamoun.
Exortamos ao presidente (Bashar a o-Assad) a que seja sábio e Deus o alumie para pôr fim a esta violência que comove ao país. Nunca antes na Síria tínhamos vivido os acontecimentos que hoje nos afligem, nos que uma constante sedição impulsiona a alguns atacar a outros irmãos e irmãs por praticar uma religião diferente , expressou a mãe Estefani.
Esta freira, que mora no convento desde que tinha quatro anos e é a segunda em hierarquia após a Madre Superiora Nahban, acompanhou a um grupo de jornalistas nacionais e estrangeiros para que fossem testemunhas do destroço provocado pelo ataque.
As duas camas do quarto ficaram destroçadas, bem como uma pequena mesa para estudo, mais buracos nas paredes, nos colchões e na porta do dormitório, e as vidraças foram quebradas.
Entre os repórteres comentou-se que pôde ser uma granada autopropulsada do tipo RPG, ainda que pela força do impacto e a distância desde onde saiu o disparo também pôde ser um obus de morteiro.
Do outro lado do maciço montanhoso está a localidade de Rankous, onde faz uns dias penetraram grupos armados e na altura em que o grupo jornalístico realizava a visita ao convento, as forças sírias levavam a cabo uma operação para os eliminar e se escutavam contínuas explosões e disparos.
Desde a noite da quarta-feira efetivas do Exército iniciaram uma ofensiva contra essas bandas armadas para expulsá-las de Rankous, Harasta, Douma, Irbin e Zabadani, todas em Damasco Campo.
Segundo partes oficiais os elementos armados sofreram numerosas baixas, entre mortos e feridos, foram-lhes ocupadas armas, além de capturar um alto número de seus membros, incluídos afegãos e paquistaneses qualificados de mercenários a salário para infiltra-los na Síria por Qatar e Arábia Saudita, assegurou um oficial a Prensa Latina.
Agora todo mundo está pedindo que o Exército os proteger dessa violência. Síria é um país pacífico, com um povo civilizado, caritativo que prefere viver em harmonia , afirmou a madre Estefani.
Relatou para Prensa Latina que como obra humanitária no monastério acolheram a 30 famílias iraquianas que fugiram da guerra em seu país, bem como antes a outras 70 do Líbano durante 2006, quando Israel atacou mais uma vez o sul desse país.
Levamos a Síria no nosso sangue e nossos corações, por isso recusamos o que está passando agora. Não o podemos aceitar, e Deus nos conduzirá à paz , expressou a religiosa.







Postado por;











***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário