Follow by Email

domingo, 12 de fevereiro de 2012

"GREVE DOS PMs DA BAHIA ENCERROU ONTEM DIA 11 A NOITE"

Policiais militares encerram greve na BA após 12 dias.


Os policiais militares baianos decidiram encerrar a greve da categoria após assembleia realizada na noite deste sábado (11). A categoria estava paralisada deste o dia 31 de janeiro deve voltar ao trabalho neste domingo (12).
 
A reunião foi realizada no ginásio do sindicato dos bancários, em Salvador. Nos discursos, líderes da greve alegaram não ter mais como manter a mobilização do policiais no interior do Estado, que já voltaram ao trabalho.
 
Não foi divulgado o número de participantes da assembleia. A imprensa não foi autorizada a acompanhar o encontro.
 
Antes da assembleia, os líderes do movimento se reuniram com o comando geral da PM. No encontro, que durou 40 minutos, ficou definido que não haveria punição administrativa para os grevistas. Foi mantida no entanto a proposta do governo, de conceder aos policiais reajuste de 6,5% --o mesmo das outras categorias do funcionalismo-- e incorporar gratificações de modo escalonado, até 2015.
 
Em um dos pronunciamentos, o deputado estadual e capitão da PM Tadeu Fernandes (PSB) disse, se dirigindo aos policiais presentes, que não haveria mais como sustentar o movimento, mas que os grevistas "lavaram a alma" e precisavam sair "com a cabeça erguida".
 
De acordo com Fernandes, as negociações com o governo vão continuar mesmo com o fim da greve.
 
Um dos líderes do movimento, o soldado Ivan Leite disse que os policiais decidiram retornar ao trabalho "em respeito à população que apoiou a categoria quando ela precisava. Não pelo governo, que não merece".
 
Ele avalia que "a categoria não conseguiu nenhum de seus objetivos" e diz que não vão parar de negociar com o governo mesmo com o fim do movimento.
 
Segundo Leite, o presidente da Aspra (Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia), Marco Prisco, foi informado sobre a decisão dos policiais de voltar ao trabalho e teria dito que "entendia e aceitava a decisão da maioria". Prisco está preso desde a última quinta-feira, acusado de incitar atos de vandalismo durante o movimento.
 
Na saída do ginásio, alguns policiais choravam. Um grupo hostilizou os jornalistas que acompanhavam a reunião do lado de fora com vaias e xingamentos de "mentirosos" e "corruptos".
 
GREVE
 
A greve dos PMs da Bahia, decretada na semana passada, tinha como objetivo conseguir a incorporação de gratificações aos salários. O movimento foi deflagrado por praças --oficiais decidiram não aderir.
 
Após o começo da greve, o governador Jaques Wagner (PT) disse que não pagaria nada acima do reajuste já concedido ao funcionalismo do Estado.
 
Na terça (7), porém, o governo passou o dia negociando com líderes grevistas, mas a reunião foi suspensa sem acordo.
 
 
O impasse ficou por conta de 12 mandados de prisão expedidos pela Justiça contra PMs grevistas. A categoria exigia a anistia deles para deixar o prédio da Assembleia Legislativa, invadida por cerca de 300 PMs e cercada por soldados do Exército.
 
O governo do Estado afirmou hoje que haverá anistia apenas aos policiais que não cometeram irregularidades, mas que os mandados de prisão são de competência da Justiça. Também venceu a proposta de incorporar as gratificações de modo escalonado, até 2015.
 
No começo da semana, diversos focos de tumulto ocorreram no local, e os militares usaram balas de borracha e bombas de efeito moral para conter os ânimos. O local só foi desocupado na quinta-feira.
 
O ex-policial Marco Prisco foi preso após deixar a Assembleia, junto com outro líder grevista, Antônio Paulo Angelini. Outros dois PMs já tinham sido presos.
 
Prisco foi flagrado por escutas telefônicas incentivando atos de vandalismo no Estado. As gravações foram divulgadas pelo "Jornal Nacional", da TV Globo. Em uma das escutas um interlocutor de Prisco identificado como David Salomão diz que vai "queimar viatura" e "duas carretas" na rodovia Rio-Bahia.


Não sou de modo algum contra a reivindicação salarial de nenhuma categoria, o que sou contra são as barbáries que muitos fazem se aproveitando da fragilidade do momento e comentem atos ilícitos coagindo a população, fazendo quebra quebra e saqueando os comércios, além de se aproveitarem do momento para hostilizar quem nada tem a ver com seus atos, e que estão tentando mostrar a realidade dos acontecimentos, como fizeram com a imprensa, que foi a causa de seu retorno ao trabalho, por ter mostrado o jogo político sujo em que eles estavam envolvidos. Saíram xingando os jornalistas que estavam do lado de fora dando a cobertura sobre o acontecimento, alem de chama-los de mentirosos, mas, os mentirosos são eles, pois a verdade está gravado em ligações grampeados com autorização da justiça. Reclamam por não terem conseguido nada de seus pedidos, é óbvio que não poderiam conseguirem nada mesmo, tendo em vista de uma greve criminosa e vandalizado por sua equipe, claro que haviam pessoas de bons sentimentos juntos a essa greve descabida que se deixaram levar por promessas mentirosas dos mau intencionado da equipe de frente da greve!




Escrito por;



   




***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário