Follow by Email

sábado, 4 de fevereiro de 2012

"GOVERNADOR NÃO ACEITA PRESENÇA DO PREFEITO DE SALVADOR EM REUNIÃO"

Prefeito tenta ir a reunião sobre 

crise e governador diz: 

"Se precisar eu chamo"

Final da manhã deste sábado (4), Palácio de Ondina, sede do governo da Bahia. Reunidos o governador Jaques Wagner, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, o comandante militar do Nordeste, general Odilson Benzi, o Comandante da 6ª Região Militar, general Gonçalves Dias, e o secretário de segurança do Estado, Mauricio Barbosa. Um assessor se aproxima do governador e informa:
- ...É da parte do prefeito João Henrique no telefone... O prefeito quer vir para o Palácio e participar da reunião...
O governador diz para o assessor:
- ...Fala para o prefeito que não é necessário... Se eu precisar dele eu chamo.
Na quinta-feira Salvador viveu a barbárie. Com parte da PM em greve e a fechar ruas, a exibir armas e a, como se diz por lá, "tocar o terror", o pânico se espalhou.
Naquela tarde e na madrugada seguinte, o número de mortes chegou a 18. E saques pipocaram pela cidade. Fatos óbvios e evidentes à vista de todos. Oportunistas de todos os quadrantes aproveitaram a oportunidade.
Em casa, ou assustada a caminho, a população, que se perguntava porque não se impediu tal greve. Nas ruas, os bandidos - e portando-se como se também fossem marginais, uma porção dos PMs em greve. Na ponta da boataria, alguns dos que miram no futuro e vários dos que se perderam pelo passado.
Hora de tirar uma lasquinha porque o poder é assim mesmo, ocupa e devora espaços vazios.
O prefeito de Salvador, João Henrique, não estava na cidade. Certamente por coincidência não estava desde a véspera, quando 1.500 manifestantes fizeram passeata pelo centro apoiados num lema: "Desocupa, João".
Os manifestantes querem o impeachment de João Henrique, pedido de resto desnecessário naquela quarta e na quinta-feira da barbárie, já que João estava no Rio de Janeiro.
Na quarta-feira, quando a greve já estava decretada e manifestantes pediam sua saída da Prefeitura, João estava no Rio em reunião com representantes da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU).
No final da tarde do dia seguinte, a quinta da barbárie, com a cidade em pânico exatamente naquele momento, o prefeito João deu um certo azar; a se levar em conta o depoimento da cantora - baiana - Mariella Santiago.
João caminhava pelo calçadão de Copacabana quando a cantora o avistou, revelou Mariella. O relato é dela ao site iBahia:
- Estava voltando do Leme, onde são feitas as homenagens a Iemanjá, quando vi o prefeito. Na hora, não tive reação, fiquei surpresa porque sabia que ele estava fora de Salvador, mas não imaginei que estivesse aqui. Foi só chegar em casa e pesquisar um pouco que soube dos compromisso dele no Rio. Depois, relembrando a cena me dei conta de ele percebeu, pela fisionomia do rosto, que tinha sido reconhecido. E, aparentemente, ele não esperava por isso...
Mariella, antes de dar entrevistas escreveu em sua página no Facebook. Contou que João "estava bronzeado, dando aquela corridinha pra manter a boa forma, parecia muito bem e despreocupado".
A assessoria da prefeitura informou ao site que João Henrique estava no Rio de Janeiro para debater com "autoridades e especialistas" o início das operações do metrô.
Na sexta-feira (3), João contatou o secretário de Segurança do Estado, Maurício Barbosa, e prestou sua solidariedade. Convocou algo como um "gabinete de crise" e colocou as 46 câmeras de videomonitoramento à disposição da PM, além de garantir reforço na iluminação pública. Também na sexta-feira a prefeitura decretou estado de alerta na capital baiana.
Neste sábado, 72 horas depois do início da greve e 48 horas após a quinta da barbárie, João buscou assento no comando da operação anti-crise. Até o fechamento deste texto a resposta do governador seguia sendo a mesma:
- ...Fala para o prefeito que não é necessário... Se eu precisar dele eu chamo.

Também não seria pra menos, o prefeito teve sua imagem arranhado por uma crise conjugal posta em cheque ao publico por sua ex-mulher. 
Veja a nota!
Em discurso na Assembleia Legislativa da Bahia, a deputada estadual Maria Luiza (PSD), ex-mulher do prefeito de Salvador, João Henrique Carneiro, acusou na quarta-feira o ex-marido de traição. No discurso, Maria Luiza disse que resolveu divulgar o caso após notícias de que o casamento dos dois, que terminou recentemente, teria sido causado por conta de traições dela. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.
"Pacientemente venho assistindo a um bombardeio de blasfêmias sobre a minha pessoa", afirmou. Segundo a deputada, João Henrique se envolveu com uma funcionária da secretaria de saúde da cidade. "Não o julgo porque não cuspo no prato que como". Procurado, o prefeito não foi encontrado para comentar o assunto ontem.


Postado por;







***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário