Follow by Email

segunda-feira, 5 de março de 2012

Ayaan Hirsi Ali: Política holandesa fala da “Guerra Global contra cristãos no mundo muçulmano”

Ayaan Hirsi Ali: Política holandesa fala da “Guerra Global contra cristãos no mundo muçulmano”


















A política holandesa Ayaan Hirsi Ali escreveu um artigo para a Revista NewsWeek no qual falou daquilo que intitulou como Guerra Global contra cristãos no mundo muçulmano. Nascida na Somália, Ayaan recebeu asilo político e cidadania na Holanda e é conhecida por suas críticas em relação ao Islã.
A ex-deputada do parlamento holandês sofreu na pele atrocidades cometidas por algumas comunidades islâmicas radicais, aos cinco anos ela e sua irmã de 4 anos sofreram uma mutilação sexual chamada infibulação do clitóris, numa cerimônia organizada pela avó.
Em seu artigo ela inicia dizendo que “ouvimos tantas vezes sobre os muçulmanos como vítimas de abuso no Ocidente e combatentes na Primavera árabe, mas que, na verdade, um tipo totalmente diferente de guerra está em curso”. Custando milhões de vidas ela afirma que nessa guerra “os cristãos estão sendo mortos no mundo islâmico por causa de sua religião”. Ela diz ainda que “é um genocídio em ascensão que deve provocar alarme global”.
“Nos últimos anos a opressão violenta das minorias cristãs se tornou a norma em países de maioria muçulmana que se estende desde a África Ocidental e do Oriente Médio para o Sul da Ásia e Oceania”, afirma Ayaan, contando que em alguns países os ataques contra cristãos são feitos por grupos rebeldes, e em outros agentes do governo são quem cometem assassinatos contra cristãos e ataques contra suas igrejas.
Ela fala também sobre a omissão de muitos veículos midiáticos diante do assunto. Segundo alguns meios de comunicação deixam de noticias sobre esses ataques por medo de fomentar ainda mais a violência. Porém Ayaan diz acreditar que o mais provável seja que essa omissão aconteça por causa do lobby de entidades como a “Organização de Cooperação Islâmica, uma espécie de Nações Unidas do Islã centrada na Arábia Saudita e ao Conselho sobre Relações Americano-Islâmicas”.
“Durante a última década, estes e outros grupos têm sido notavelmente bem sucedido em convencer as principais figuras públicas e jornalistas no Ocidente a pensar nessas notícias como uma forma de discriminação anti-muçulmano. (…) usando a expressão “islamofobia” – um termo que é utilizado para provocar a desaprovação moral assim como xenofobia ou homofobia”, afirma.
A política ilustrou seus argumentos usando como exemplo o Boko Haram, grupo extremista nigeriano cujos membros, em 2011, mataram pelo menos 510 pessoas e queimaram ou destruíram mais de 350 igrejas em 10 estados do norte da Nigéria. Ela falou ainda do Sudão, onde o próprio governo tem se encarregado de atormentar as minorias cristãs.
Outros países citados em seu artigo foram Egito, Iraque e Paquistão. Em todos esses lugares os cristãos vêm sendo perseguidos e massacrados por grupos islâmicos, segundo Ayaan Hirsi Ali descreve em seu artigo.
“Uma avaliação imparcial dos acontecimentos recentes e tendências leva à conclusão de que a dimensão e a gravidade da islamofobia empalidece em comparação com a cristofobia sangrenta, atualmente correndo em países de maioria muçulmana de um lado do globo para o outro” finaliza.
Ayaan foi deputada na Câmara Baixa (Tweeede Kamer) do parlamento holandês pelo Partido Liberal (VVD) entre Janeiro de 2003 e Maio de 2006, quando se demitiu do cargo reconhecendo ter mentido no processo de asilo político que lhe concedeu a cidadania holandesa.




Postado por;








***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário