Follow by Email

sábado, 24 de março de 2012

"DILMA ROUSSEFF OUVE UM SONORO 'NÃO' DO PSD DO PREFEITO DE SÃO PAULO GILBERTO CASSAB AO PROJETO DO CÓDIGO FLORESTAL"



Com base em crise, Dilma apela a PSD, em vão, para aprovar Código Florestal.











Dilma tenta negociar 'nova maioria'



Com a base aliada em crise e em confronto aberto com o governo federal, a presidente Dilma Rousseff apelou, em vão, para o apoio do PSD, partido criado e comandado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que se autodeclara independente. Num encontro realizado na quinta-feira à noite, no Palácio do Planalto, Dilma pediu ao prefeito ajuda para convencer os parlamentares do PSD a apoiar o projeto de reforma do Código Florestal que foi aprovado pelos senadores, e que garante a recuperação de vegetação nativa às margens de rios.
Ouviu um não, o segundo do PSD ao PT. A primeira decepção dos petistas com Kassab foi a adesão imediata do prefeito à pré-candidatura de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo, abandonando uma negociação com dirigentes do PT na capital paulista. A negativa de Kassab fratura ainda mais a base governista no Congresso.
Ao sofrer derrotas no Congresso na última semana e com dificuldades para aprovar o Código Florestal - e também a Lei Geral da Copa, Dilma deu sinais ontem de que pretende assumir a coordenação política das votações. A presidente reuniu-se com seis ministros e ordenou que, se necessário, a votação do Código Florestal seja suspensa por um mês para não haver risco de derrota(leia abaixo).
Kassab disse à presidente que não tem controle sobre esse tema na bancada, de acordo com relatos de interlocutores de Dilma e de parlamentares do PSD. E se justificou: entre os 47 deputados do partido há muitos ruralistas, todos eles envolvidos no intenso debate que é travado a respeito do Código Florestal.
Esse grupo quer mudar o projeto que voltou à Câmara, retirando a parte que obriga quem desmatou a beira de rios a fazer o reflorestamento.
Dilma ainda teria argumentado que uma das lideranças do PSD é a senadora Kátia Abreu (TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). E que ela participou do acordo feito no Senado, juntamente com o outro senador do partido, Sérgio Petecão (AC).
O problema, teria respondido Kassab, segundo relatos de seus correligionários, é que o projeto está na Câmara e lá é seu destino final. Se os deputados retirarem o artigo que torna obrigatório o reflorestamento, o projeto seguirá diretamente para a sanção presidencial, sem necessidade de voltar ao Senado.
No encontro que teve com a presidente Dilma Rousseff na quinta-feira, Kassab disse que só não tinha condição de ajudá-la nas negociações para aprovar o Código Florestal. Mas prometeu apoio ao governo, sem exigir cargos ou liberação de emendas parlamentares ao Orçamento da União, dois dos motivos que conflagraram a base aliada nas últimas semanas.
Um pé em cada canoa. Kassab tem argumentado que a aliança com Serra e o PSDB em São Paulo não significa que o PSD será oposição ao governo federal. Ao contrário. O prefeito tem feito alianças com petistas em vários Estados e especula-se, inclusive, que poderá aproximar-se oficialmente do PT em 2014. Tal cenário, porém, torna-se remoto se considerada uma eventual vitória de Serra em São Paulo.
O prefeito disse à presidente que entende como 'grave' o momento político, porque as relações entre o Poder Executivo e o Poder Legislativo estão muito desgastadas. Prometeu que atuará para aparar as dificuldades em sua bancada. Disse ainda que o partido votará com o governo na Lei Geral da Copa e em outras propostas importantes. A exceção é o Código Florestal.
Adiamento. Por causa da crise com a base, o governo suspendeu todas as votações até o dia 11 de abril. Entre os projetos urgentes, está a Lei Geral da Copa. Na quarta-feira, PTB e PSC formaram um bloco, constituído por 38 deputados. O objetivo foi pressionar o governo a votar o Código Florestal. No mesmo dia, os ruralistas iniciaram uma pressão tão forte que o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), foi à tribuna e anunciou que a sigla estava em obstrução. E nada mais foi votado.







***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário