Follow by Email

quarta-feira, 11 de abril de 2012

"VÍTIMA DE CARDIOMIOPATIA DILATADA, UM GAROTO DE TRÊS ANOS TEVE QUE ESPERAR 251 DIAS, MAIS DE OITO MESES COM CORAÇÃO ARTIFICIAL; ATÉ RECEBER O TRANSPLANTE"


Garoto de três anos sobrevive por 251 dias com coração artificial.




















Vítima de cardiomiopatia dilatada, Joe teve de esperar oito meses até receber transplante. Foto: Great Ormond Street Hospital/BBC Brasil
Vítima de cardiomiopatia dilatada, Joe teve de esperar oito meses até receber transplante
Foto: Great Ormond Street Hospital/BBC Brasil


Um menino britânico de três anos foi mantido vivo com um coração artificial por mais de oito meses, tempo considerado recorde para uma criança na Grã-Bretanha. Joe Skerratt, de Kent, no sudeste britânico, foi diagnosticado com cardiomiopatia dilatada, condição em que o coração tem dificuldades para bombear o sangue pelo corpo.
O menino foi temporariamente ligado a um coração artificial, que ficou com a função de transportar seu sangue enquanto esperava por um doador. Após 251 dias, no ano passado, ele finalmente obteve um transplante.
A mãe de Joe, Rachel, disse que a família começou a perceber a "personalidade dele voltar à vida" quando ele foi conectado ao coração artificial. Mas essa etapa foi apenas o começo de uma longa espera por um doador de órgão.
"Quando ele passou a marca de 200 dias ligado ao coração artificial, começamos a nos perguntar o que poderia ser feito caso não conseguíssemos um doador. Mas no fundo sabíamos que não havia muito a ser feito", disse Rachel. "No 251º dia, recebemos o telefonema que esperávamos. Havia um coração.", completou a mãe.


Diagnóstico

O diagnóstico de cardiomiopatia foi feito quando Joe tinha apenas três semanas de vida. Pálido, ele foi levado ao hospital por seus pais, e um exame de raio-x mostrou que seu coração estava muito acima do tamanho normal. Os médicos identificaram que ele tinha um problema genético - a síndrome de Barth, que provoca fraqueza muscular, baixa estatura e dificuldades de alimentação.
Em dezembro de 2010, o quadro era delicado: o coração de Joe estava começando a falhar, e os médicos descobriram que suas válvulas não estavam funcionando. O órgão havia aumentado ainda mais de tamanho, ocupando espaço demais em seu peito. Dias depois, a criança sofreu duas paradas cardíacas enquanto estava no hospital. Foi transferida para o hospital londrino Great Ormond Street, onde seu coração parou pela terceira vez. Estabilizado, ele foi conectado ao "Berlin Heart", o coração artificial, que é do tamanho de uma geladeira portátil pequena.
Algumas crianças ficam ligadas ao aparelho por apenas poucas semanas; para outras, porém, a espera por um coração pode levar meses. Após a cirurgia, o peito de Joe não foi fechado por quatro dias, e os pais puderam ver seu novo coração funcionando. "Ver o órgão, de tamanho normal, batendo em seu peito, foi incrível", disse Rachel. A primeira noite após a alta do hospital foi celebrada com a refeição favorita de Joe: pizza. "Estamos realmente felizes com o fato de ele estar tão bem, depois de passar tanto tempo conosco no hospital", disse o cardiologista pediátrico Alessandro Giardini. "Somos eternamente gratos à família do doador", agregou Rachel. "Não podemos imaginar a dor pela qual eles passaram, mas sua generosidade durante um momento tão horrível foi incrível."








***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário