Follow by Email

segunda-feira, 2 de abril de 2012

"PROFESSORA PODE SER PUNIDA POR EXPRESSAR O CONSOLO DE CRISTO; ESCREVE BLOGUEIRO JULIO SEVERO"


Aluno afirma sofrer bulliyng devido a pregação de professora evangélica em sala de aula.

Aluno afirma sofrer bulliyng devido a pregação de professora evangélica em sala de aula








Um adolescente de 15 anos, aluno do 2º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Antônio Caputo, em São Bernardo, São Paulo, afirma ser vítima de bullying e intolerância religiosa por parte de seus colegas de classe, por causa da pregação evangélica realizada em sala de aula por uma professora da escola.
Segundo o Diário do ABC, a professora de história Roseli Tadeu Tavares de Santana tem um ritual antes de começar cada aula, no qual pega uma Bíblia e faz 20 minutos de pregação evangélica aos alunos. Por ser praticante de candomblé, o estudante não queria participar das pregações da professora, o que fez com que ele se tornasse alvo de ataques de seus colegas.
O pai do adolescente, o aposentado Sebastião da Silveira, 64 anos, é sacerdote de cultos afro. O estudante começou a ter aula com a professora no ano passado. Neste ano, por não concordar com a pregação, decidiu não imitar os colegas. Eles perceberam e sua vida mudou. Os ataques começaram com bolas de papel sendo jogadas no em suas costas depois passaram a ofensas graves aos seus pais. O bullying fez com que o garoto começasse a ter falta de apetite, problemas na fala e tiques nervosos.
Os pais do estudante resolveram agir sobre o caso. “Ficamos abalados”, disse Silveira. “A própria escola não deu garantias de que meu filho terá segurança”, completou. Na escola, a professora disse apenas que a pregação religiosa fazia parte de seu método de ensino. A Secretaria Estadual da Educação anunciou que a Diretoria de Ensino de São Bernardo irá apurar a história e reconhece que pregar religião é proibido pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
A prática adotada pela professora é criticada por diversos alunos da escola, até mesmo pais evangélicos de alunos da escola criticam a professora: “Nunca foi falado em casa que ela fazia isso. Senão eu reclamaria, é errado”, disse a doméstica Edemilda Silva, 46 anos, mãe de um estudante de 13, que cursa a 8ª série do Ensino Fundamental e confirmou a atitude da professora. “Se quiser ouvir a palavra, vou à igreja”, completou.
A presidente da Afecab (Associação Federativa da Cultura e Cultos Afro-Brasileiros), Maria Campi, anunciou que dará amplo suporte à família de Magno pelo que o garoto vem sofrendo. “Nossas crianças não têm direito a ter uma identidade. São discriminadas quando usam as vestimentas. Falta estudar mais as culturas africanas”, afirmou.
Uma ocorrência sobre o caso foi registrada no 4º DP (Riacho Grande), e a Comissão de Liberdade Religiosa da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e o Ministério Público foram acionados. A presidente da comissão, Damaris Moura se manifestou sobre o caso afirmando que “o Estado brasileiro é laico e não pode promover uma religião específica através de seus agentes”. Ela concluiu afirmando que “é preciso compreender a importância do respeito à escolha do próximo”.




Ativista Julio Severo critica repercussão no caso da professora que pregava em sala de aula: “Cristo incomoda adeptos da bruxaria”.










Ativista Julio Severo critica repercussão no caso da professora que pregava em sala de aula: “Cristo incomoda adeptos da bruxaria”









Comentando o caso da professora Roseli Tadeu Tavares de Santana, que foi acusada de promover “bullyng” contra um aluno de sua classe, o blogueiro e ativista Júlio Severo publicou um artigo criticando a repercussão do caso: “No meio dessa selva de imposição estatal da bruxaria e gayzismo, uma professora indefesa apenas usa sua voz para falar do consolo de Cristo, e o inferno se levanta”.
A professora Roseli tinha como prática fazer reflexões sobre os ensinos bíblicos com seus alunos antes de cada aula, e por um dos alunos ser filho de um sacerdote de cultos afro-brasileiros, sentiu-se incomodado, e deixou de participar das reflexões promovidas pela professora. O rapaz, aluno do segundo ano do Ensino Médio, afirmou que quando seus colegas notaram, atiraram uma bola de papel em suas costas.
Severo afirma que “todas as matérias da imprensa estão contra a Profª Roseli Tadeu Tavares de Santana, praticamente pedindo o linchamento do caráter e do trabalho dela”, e ressalta: “O principal ato de bullying foi uma bola de papel atirada nas costas do rapaz”.
O ativista critica ainda a mírida evangélica, pois segundo ele não investigou os fatos: “Posso até imaginar o papel da grande mídia evangélica quando o governo do Anticristo estiver totalmente estabelecido: copiará tudo o que a imprensa do Anticristo ‘noticiar’”.
Em seu artigo, Julio Severo cita ainda comentários de colegas de turma do rapaz, pais de alunos e ex-alunos, numa compilação feita de um site que o ativista resolveu não mencionar, e critica a parcialidade: “A palavra dos outros alunos não teve valor. A professora não pregava Bíblia e nem pregava sua igreja. Apenas fazia uma reflexão de encorajamento espiritual — e tudo o que toque no nome de Cristo incomoda adeptos da bruxaria”.
Julio Severo lembra da história do cristianismo, e fala em perseguição: “Durante séculos, milhões de cristãos foram martirizados por darem bom testemunho de Cristo. Eles perderam a vida, principalmente nas mãos do Estado”, frisa.
Confira abaixo, a íntegra do artigo do blogueiro Julio Severo:
Uma professora evangélica, que falava do consolo de Cristo aos alunos, está na mira implacável de organizações de religiões afro-brasileiras e da “justiça” depois que os meios de comunicação a acusaram de provocar bullying contra um aluno, rapaz de 15 anos, que segue uma religião afro-brasileira. O principal ato de bullying foi uma bola de papel atirada nas costas do rapaz.
Numa pesquisa na internet, pude constatar que todas as matérias da imprensa estão contra a Profª Roseli Tadeu Tavares de Santana, praticamente pedindo o linchamento do caráter e do trabalho dela. A mídia evangélica fez pouco diferente, apenas copiando o conteúdo secular, demonstrando falta de originalidade e incapacidade de investigar os fatos.
Posso até imaginar o papel da grande mídia evangélica quando o governo do Anticristo estiver totalmente estabelecido: copiará tudo o que a imprensa do Anticristo “noticiar”.
Pelas insinuações dos inflamadores e copiadores, até parecia que professora atacava todas as religiões.
Mas essas insinuações, que a mídia tentou passar com tanto ardor, se dissiparam quando, numa das matérias hostis à professora, pude ler os comentários de alunos e mães de alunos, alguns dos quais copio aqui:
Há 1 ano atrás , eu estava com problema sério na família… devido à separação do esposo. Sou católica, mas graças às reflexões que a professora Roseli faz na escola, minhas filhas chegavam em casa falando do alivio que traziam quando a professora fazia as reflexões. — Maria Aparecida de Matos
Nossa a professora é maravilhosa, eu ja fui aluna. Tudo isso é uma bobagem, ela foi umas das melhores professora! Tudo mundo sabe que isso aí é mentira do menino. — Alessandra, ex-aluna da Roseli
Eu acho uma bobeira tudo isso q esse magno ae está fazendo, parece q ñ tem coisa pra fazer além de critica uma professora q é maravilhosa q nem a ela… TUDO Q ELA FAZ É REFLEXÃOZINHA APENAS DE 5 MINUTINHOS. GOSTO PRA CARAMBA DAS REFLEXÃO. — Felipe Evaristo 2ºE
Eu estudei com essa professora dez da 5º serie, ela não lê a Bíblia mais sim usa um minuto de sua aula para fazer uma Oração. Ela não prega a sua religião mais sim faz uma reflexão de 1min em suas aulas que isso eu entendo que não faz mal a ninguém independente de sua religião. — Yuri Sena
Uaaaaaauuuuu! Vamos ao que interessa! O menino recebeu uma bolada de papel nas costas… Realmente isso indica claramente um caso se bullying. (rsrsr).Vamos crucificar essa professora, pois, afinal de contas nenhum professor de escola pública emite suas opiniões pessoais na sala de aula, seja ateu ou pagodeiro. (kkkkk). — Elmo Pires da Silva
É muita sacanagem com a professora, sou aluna da escola e é a primeira vez que acontece isso. Uma excelente professora Roseli é muito queria pelos professores e alunos da escola . — Leticia Soares
Um rapaz de uma religião afro-brasileira falou, e a mídia e o governo (no caso, também o governo imoral do PSDB em São Paulo) imediatamente se colocaram na postura de atirar primeiro e fazer perguntas depois. A palavra dos outros alunos não teve valor.
A professora não pregava Bíblia e nem pregava sua igreja. Apenas fazia uma reflexão de encorajamento espiritual — e tudo o que toque no nome de Cristo incomoda adeptos da bruxaria.
E se fosse o contrário? Se a professora emitisse opiniões pessoais a favor da bruxaria, a mídia a massacraria porque um estudante cristão se sentiu incomodado, sendo o único cristão numa sala de aula onde a maioria vem da bruxaria?
Aliás, no caso das religiões afro-brasileiras, os livros didáticos e instruções governamentais requerem que os professores toquem no assunto da “cultura” das religiões afro-brasileiras de forma positiva.
Os professores também recebem ordem de pregar o “evangelho gay”, numa enxurrada de lições sobre a suposta normalidade da homossexualidade.
Tente criticar essa pregação estatal oficial em favor da “cultura” da bruxaria ou do gayzismo, e a mídia, o governo e os apoiadores dessa pregação se juntarão para condenar você a um linchamento moral.
No meio dessa selva de imposição estatal da bruxaria e gayzismo, uma professora indefesa apenas usa sua voz para falar do consolo de Cristo, e o inferno se levanta.
Os outros cristãos, em vez de ficarem do lado dela em apoio, se limitam a copiar e repetir o comportamento selvagem e animalesco da imprensa.
A professora poderia ter usado sua voz para falar o que a mídia e o governo querem ouvir: combate à “homofobia”, as maravilhas da sodomia, etc. Ela poderia também exaltar a “cultura” do candomblé. E certamente ela só receberia elogios, e até condecorações. Mas ela preferiu falar do consolo de Cristo.
O testemunho cristão é a vida do cristão. Quando o cristão silencia seu testemunho por medo da mídia e Estado, sua vida morre espiritualmente.
Durante séculos, milhões de cristãos foram martirizados por darem bom testemunho de Cristo. Eles perderam a vida, principalmente nas mãos do Estado.
Ainda não chegamos a esse ponto no Brasil. Mas a mídia e o governo, ambos fanaticamente pró-aborto e pró-homossexualismo, já estão ensaiando passos nessa direção. Eles, juntamente com organizações de religiões afro-brasileiras (amplamente apoiadas pelo Estado), estão prontos para crucificar a reputação e a carreira da professora cristã.

Veja o que escreveu Julio Severo em seu blog!



Professora pode ser punida por expressar consolo de Cristo

Alunos da professora a apoiam, mas bullying da mídia e do governo ameaçam linchar sua carreira

Julio Severo
Uma professora evangélica, que falava do consolo de Cristo aos alunos, está na mira implacável de organizações de religiões afro-brasileiras e da “justiça” depois que os meios de comunicação a acusaram de provocar bullying contra um aluno, rapaz de 15 anos, que segue uma religião afro-brasileira. O principal ato de bullying foi uma bola de papel atirada nas costas do rapaz.
Pais de aluno: inconformados com a mensagem de consolo de Cristo
Numa pesquisa na internet, pude constatar que todas as matérias da imprensa estão contra a ProfªRoseli Tadeu Tavares de Santana, praticamente pedindo o linchamento do caráter e do trabalho dela. A mídia evangélica fez pouco diferente, apenas copiando o conteúdo secular, demonstrando falta de originalidade e incapacidade de investigar os fatos.
Posso até imaginar o papel da grande mídia evangélica quando o governo do Anticristo estiver totalmente estabelecido: copiará tudo o que a imprensa do Anticristo “noticiar”.
Pelas insinuações dos inflamadores e copiadores, até parecia que professora atacava todas as religiões.
Mas essas insinuações, que a mídia tentou passar com tanto ardor, se dissiparam quando, numa das matérias hostis à professora, pude ler os comentários de alunos e mães de alunos, alguns dos quais copio aqui:
Há 1 ano atrás , eu estava com problema sério na família… devido à separação do esposo. Sou católica, mas graças às reflexões que a professora Roseli faz na escola, minhas filhas chegavam em casa falando do alivio que traziam quando a professora fazia as reflexões.— Maria Aparecida de Matos
Nossa a professora é maravilhosa, eu ja fui aluna. Tudo isso é uma bobagem, ela foi umas das melhores professora! Tudo mundo sabe que isso aí é mentira do menino. — Alessandra, ex-aluna da Roseli
Eu acho uma bobeira tudo isso q esse magno ae está fazendo, parece q ñ tem coisa pra fazer além de critica uma professora q é maravilhosa q nem a ela… TUDO Q ELA FAZ É REFLEXÃOZINHA APENAS DE 5 MINUTINHOS. GOSTO PRA CARAMBA DAS REFLEXÃO. — Felipe Evaristo 2ºE
Eu estudei com essa professora dez da 5º serie, ela não lê a Bíblia mais sim usa um minuto de sua aula para fazer uma Oração. Ela não prega a sua religião mais sim faz uma reflexão de 1min em suas aulas que isso eu entendo que não faz mal a ninguém independente de sua religião. — Yuri Sena
Uaaaaaauuuuu! Vamos ao que interessa! O menino recebeu uma bolada de papel nas costas... Realmente isso indica claramente um caso se bullying. (rsrsr).Vamos crucificar essa professora, pois, afinal de contas nenhum professor de escola pública emite suas opiniões pessoais na sala de aula, seja ateu ou pagodeiro. (kkkkk). — Elmo Pires da Silva
É muita sacanagem com a professora, sou aluna da escola e é a primeira vez que acontece isso. Uma excelente professora Roseli é muito queria pelos professores e alunos da escola .— Leticia Soares
Um rapaz de uma religião afro-brasileira falou, e a mídia e o governo (no caso, também o governo imoral do PSDB em São Paulo) imediatamente se colocaram na postura de atirar primeiro e fazer perguntas depois. A palavra dos outros alunos não teve valor.
A professora não pregava Bíblia e nem pregava sua igreja. Apenas fazia uma reflexão de encorajamento espiritual — e tudo o que toque no nome de Cristo incomoda adeptos da bruxaria.
E se fosse o contrário? Se a professora emitisse opiniões pessoais a favor da bruxaria, a mídia a massacraria porque um estudante cristão se sentiu incomodado, sendo o único cristão numa sala de aula onde a maioria vem da bruxaria?
Aliás, no caso das religiões afro-brasileiras, os livros didáticos e instruções governamentais requerem que os professores toquem no assunto da “cultura” das religiões afro-brasileiras de forma positiva.
Os professores também recebem ordem de pregar o “evangelho gay”, numa enxurrada de lições sobre a suposta normalidade da homossexualidade.
Tente criticar essa pregação estatal oficial em favor da “cultura” da bruxaria ou do gayzismo, e a mídia, o governo e os apoiadores dessa pregação se juntarão para condenar você a um linchamento moral.
No meio dessa selva de imposição estatal da bruxaria e gayzismo, uma professora indefesa apenas usa sua voz para falar do consolo de Cristo, e o inferno se levanta.
Os outros cristãos, em vez de ficarem do lado dela em apoio, se limitam a copiar e repetir o comportamento selvagem e animalesco da imprensa.
A professora poderia ter usado sua voz para falar o que a mídia e o governo querem ouvir: combate à “homofobia”, as maravilhas da sodomia, etc. Ela poderia também exaltar a “cultura” do candomblé. E certamente ela só receberia elogios, e até condecorações. Mas ela preferiu falar do consolo de Cristo.
O testemunho cristão é a vida do cristão. Quando o cristão silencia seu testemunho por medo da mídia e Estado, sua vida morre espiritualmente.
Durante séculos, milhões de cristãos foram martirizados por darem bom testemunho de Cristo. Eles perderam a vida, principalmente nas mãos do Estado.
Ainda não chegamos a esse ponto no Brasil. Mas a mídia e o governo, ambos fanaticamente pró-aborto e pró-homossexualismo, já estão ensaiando passos nessa direção. Eles, juntamente com organizações de religiões afro-brasileiras (amplamente apoiadas pelo Estado), estão prontos para crucificar a reputação e a carreira da professora cristã.






***FRANCIS DE MELLO*** 

Nenhum comentário:

Postar um comentário