Follow by Email

sexta-feira, 15 de junho de 2012

"CONGELAMENTO DE CORPO VIRA BRIGA DE FAMÍLIA NA JUSTIÇA"



Militar de 83 anos queria ter cadáver preservado por acreditar em cura de seu mal no futuro. Filhas divergem e vão à Justiça









Lígia Monteiro, com o pai: gastos de R$ 900 diários para funerária manter corpo de militar resfriado
Foto: Álbum de família
Lígia Monteiro, com o pai: gastos de R$ 900 diários para funerária manter corpo de militar resfriadoÁLBUM DE FAMÍLIA

RIO - Uma história inusitada tem tirado o sono da família do engenheiro civil da Força Aérea Brasileira Luiz Felippe Dias de Andrade Monteiro, que morreu em fevereiro, aos 83 anos. Como antecipou a coluna de Ancelmo Gois na quinta-feira, a Justiça, em primeira instância, deu ganho de causa a um desejo do militar que sofria de uma doença crônica e queria ser congelado, em vez de sepultado. Ele acreditava que, no futuro, a ciência poderia encontrar a cura para o seu mal. Como não deixou por escrito a decisão, o caso foi parar nos tribunais. Virou uma briga entre os vivos: não há consenso entre os familiares.
A filha do segundo casamento de Luiz Felippe, Lígia Monteiro, que morava com ele no Rio, conta que estava disposta a fazer valer a última vontade do pai, manifestada antes de ele ter um acidente vascular cerebral. Mas, para isso, ela teria que autorizar o embarque do corpo para os EUA, onde seria congelado por uma empresa especializada em criogenia. Duas meias-irmãs, que moram no Rio Grande do Sul, são contrárias à ideia.
Filhas do 1º casamento querem sepultamento
Segundo o advogado Rodrigo Marinho Crespo, as filhas do primeiro casamento de Luiz Felippe, que querem o sepultamento do pai no jazigo da família na cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul, tentam impedir o traslado do corpo para a empresa americana desde fevereiro. Na terça, no entanto, a 20ª Câmara Cível bateu o martelo em favor de Lígia. Crespo, no entanto, diz que vai recorrer da decisão.
— Eu sinto que são quatro meses de desrespeito. Ele era uma pessoa que prezava os rituais. Em momento algum, nos disse que gostaria de ser congelado. Acredito que uma palhaçada dessa natureza nunca sairia da cabeça dele — disse a professora Carmen Trois, de 51 anos, uma das filhas do primeiro casamento do engenheiro da FAB.
Enquanto o imbróglio não se resolve, o corpo de Luiz Felippe é conservado por uma funerária no Rio em caixão de zinco, resfriado por gelo-seco. Pelo serviço, Lígia tem desembolsado quase R$ 900 por dia, cerca de R$ 27 mil por mês.
Ela explica por que está brigando:
— O que eu tenho a perder? A única certeza que eu tenho é que, caso a ciência evolua, quem está enterrado não será ressuscitado. Mas, e quanto a quem é congelado? Não sabemos. Enquanto minhas irmãs querem um pedaço de mármore, eu quero realizar um sonho do meu pai — afirmou ela, ao contar sua história ao GLOBO.
Custo para manter corpo resfriado é de R$ 900 diários
Segundo Lígia, na tentativa de um acordo com as irmãs, ela falou que abriria mão da herança do pai, caso concordassem com o congelamento do corpo:
— Já gastei todo meu dinheiro. Recursos que usaria para comprar um apartamento e tirei da poupança. Estou devendo à funerária. Cheguei a oferecer duas passagens por ano para que minhas irmãs visitassem o corpo do meu pai nos EUA, mas elas não aceitaram. E ainda entraram com uma ação de danos morais por causa da situação. De qualquer maneira, tudo vale a pena. Quero honrar a vontade do meu pai, que acreditava muito na evolução da ciência. Tudo que tenho devo a ele.
Para o psicanalista Luiz Alberto Py, Lígia está sentindo a obrigação de fazer a vontade do pai.
— Se ele fez esse pedido, a filha acreditou e se sente na obrigação de cumprir a promessa. Mas pode existir, sim, uma fantasia de imortalidade — observou o psicanalista.
Técnica é tema de filmes e de lendas urbanas
Lendas urbanas, ficção científica e fantasias: o congelamento de cadáveres é um tema que envolve mistério e poucas informações. Nos Estados Unidos, em 1966, Walt Disney foi submetido a uma cirurgia por conta de um câncer. Depois de sua morte, rumores, que persistem até hoje, davam conta de que seu corpo teria sido congelado para ser ressuscitado quando a ciência descobrisse a cura de sua doença. Em 1979, surgiu na TV uma versão do herói Buck Rogers. Na história, Rogers comandava uma nave quando sofreu um acidente e acabou preso no espaço. Na ficção, seu corpo foi mantido intacto por cinco séculos devido a uma técnica de conservação criogênica. Ele é descongelado no ano de 2491, e vive para ser um herói terrestre.
Em outro filme, Vanilla Sky, o personagem interpretado por Tom Cruise é congelado, após sofrer um acidente e ter o rosto desfigurado. Ele acreditava que a ciência seria capaz de devolver sua aparência de antes.

























***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário