Follow by Email

sábado, 10 de setembro de 2011

"SABEMOS O QUE REALMENTE SIGNIFICA O PERDÃO?"

Certa ocasião, mais especificamente no ano de 1.977, ano do nascimento de minha querida filha, eu morava na cidade de Ilha Solteira-SP., na época esta era um bairro da cidade de Pereira Barreto-SP., eu trabalhava no Banco Banespa, hoje Santander. Passei por uma situação nada agradável. Uma determinada pessoa do antigo reduto de amizade, e que tivemos essa amizade deteriorado por uma questão de covardia por parte desse tal antigo amigo, claro que tive minha grande parcela de culpa também.
Como sempre eu disse, sempre fui uma pessoa de uma índole invejável, sem modéstia nenhuma. Nunca em minha vida guardei rancor, raiva, ódio, antipatia ou qualquer outro tipo de sentimente expúrio de quem quer que seja, mesmo que eu quizesse sentir um sentimento desses, não conseguiria, pois meu coração não conhece o que significa isso. Nunca sentí o desejo em acabar com um idivíduo, por mais que tenha tentado. "Ps: O caso do negaun, Hoje meu genro. "Negaun?" É, Negaun, é assim que o chamo carinhosamente! que conto em um depoimento que não foi fácil em liberar o perdão, realmente não foi. Contudo por mais que tenha tentado acabar com ele nunca jamais cheguei nem próximo, pois meu sentimento de "AMOR" nunca jamais permitiu." No entanto, o referido antigo amigo havia maquinado em seu coração acabar com minha vida. E confesso que por pouco não conseguiu. Foi então que me cercou de manaira diabólico na nova empresa que eu trabalhava, agora na CESP, Companhia Energática de São Paulo, no mesmo bairro, agora no ano de 1.999.
Tivemos um grande desentendimento lá em um passado não tão distante, mas, seria o suficiente para que este e eu houvessemos esquecido o passado. "Minha parte eu já tinha feito, havia esquecido o passado". Contudo o referido fulano acabou por me encontrar e reconhecer-me, foi então que relembrou tudo, trazendo a tona algo que para eu não mais existia. Porém este, me fêz sérias ameaças e me promentendo que viria um dia qualquer para cobrar-me uma dívida que para ele ainda estaria sem o devido pagamento. Mas, como sempre, acabei por esquecer a ameaça, aliás, não percebí que realmente se tratava de uma verdadeira ameaça. Dois anos mais tarde, (1.999) este fulando voltaou então ao referido bairro em minha captura, e, para alegria de satã ele me encontrou, até mesmo porque eu não estava me escondendo, nem havia motivos para tal, por se tratar de uma briga de adolescentes, e que já haviam se passado em torno de 10 anos.
Pois bem, o referido, passou então a tentar dar cabo em minha vida, o que nesse dia para eu foi um verdadeiro corre, corre. Acabei por ter que tentar uma transferência de local para uma cidade distante, o que não foi possível, o que acabei sendo obrigado sair da empresa, tive que pedir conta. O que me causou um transtorno financeiro gravíssomo, chegando ao ponto de quase passar fome com minha querida e preciosa filha e esposa. E sem contar o verdadeiro corrida desse infame em minha captura por mais alguns anos. Porém sem nunca conseguir mais me encontrar. Até mesmo porque "DEUS" sempre me foi por esconderijo.
Mas, o que quero deixar aquí registrado, que por muito mais que se possa imaginar a dificuldade que eu tenha passado por consequência desse dito cujo, não foi possível eu o responsabilizá-lo por tal situação, nem tão pouco em odiá-lo por nada disso, tão pouco por qualquer outro tipo de sofrimento causado por esse episódio.
Veja que assim descrevendo uma pequenina parte desse fato, é óbvio que nada fica demonstrado que este, tenha qualquer culpa de minha decadência, mas, que aos olhos de satã deveria eu tê-lo como o grande vilão e culpado de minha desgraça da época, por ter sido ele o causador de minha saida daquela empresa, e a consequênte perda de um salário invejado para a ocasião.
Contudo, por mais que eu tenha procurado auferir a ele essa decadência, meu coração não ascimilou qualquer dissabor de ódio ou sentimento injusto, ou justo como em meu égo paracia apresentar.
No entanto, devemos entender de que o significado do perdão é realmente não querer encontrar um culpado para um desventura, dissabor, decadência ou sei lá o quê mais tenhamos passado ou que passar.
O grande significado do perdão é reamente não ter que encontrar um culpado por qualque desgraça em nossa ou vida de entequaridos nosso.
O perdão, é nada mais nada menos que não descarregar um ou mais fracassos nosso em cima de quem quer que seja, mesmo este tendo uma pequenina ou grande parcela de culpa.
O Perdão é, perdoar esse ou aquele, seja amigo, inimigo, parente, conhecido, desconhecido, ou qualquer que seja.
Perdão é nada mais que esquecer qualquer tipo de ofensa a nós conferido, seja ele de natureza físico, mental ou pessoal. Quando se perdoa, nunca jamais se deve alimentar a desventura de uma lembrança desagradável daquílo que um dia nos tenha sido um tropesso, sofrimento ou sei lá o quê mais.
Em caso de uma lembrança, tem de ser relembrado como um grande aprendizado que a escola da vida nos tenha proporcionado. Mas, sem nunca querer se justificar de determinado sofrimento ou fracasso.
Perdoar significa, esquecer algo que na verdade não queremos mesmo lembrar. 
Existe um dito popular que diz o seguinte: "...Relembrar o passado é sfrer duas vezes..." Eu costumo dizer: "...Relembrar o passado, é retroceder ao fracasso da falta de conhecimento"!
Precisamos sempre estarmos atentos aos acontecimentos passados sim, mas, tê-los como um grande um diploma do grande aprendizado em nosso trajetória de vida, e nunca jamais atribuirmos a ninguém por qualquer que tenha sido ele!

Caso, você tenha gostado, e, queira colar, sinta-se a vontade, mas, atribua o crédito ao escritor do assunto!


Ecrito por:


***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário