Follow by Email

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

QUEM REALMENTE MERECE O "PERDÃO".

"O PERDÃO".

Certa ocasião numa palestra em que o palestrante era eu, fui questionado sobre quem devemos perdoar. Interroguei o individuo questionante de modo tal, que a princípio pareceu-me confuso, so depois de segundos ele reforçou a pergunta. "Professor, que tipo ou pessoa merece o PERDÃO?". A princípio pensei não ter compreendido, mas, depois de tal reforço, ví que o cidadão fora feliz com a pergunta. Vejam que um discípulo de "JESUS" Lhe perguntou. ...Mestre, quantas vezes devemos perdoar? Portanto a pergunta de meu interlocutor fora mais que oportuna. Quero ressaltar que ainda hoje há essa duvida em muitas mentes mundo afora. Afirmo que não se deve procurar a quem merece ou não ser perdoado, e sim a quem nos tenha ofendido. Não é assim que antecede o término da oração do PAI NOSSO. Pois bem, vejamos que, Pedro, me ofendeu verbalmente, José, deu-me uma bufetada, Teresa, minha mulher traiu-me adulterando, Joaquim acertou-me um tiro de raspão por motivo fútil e Claudio matou um ente querido. (os casos acima mencionados são figurativos). Qual deles é o merecedor do "PERDAO"? É óbvio que por ato cometido, seria o Pedro, muito embora, a ofensa com palavras nos causa muito mais dano moral, contudo, é menos doloroso e vergonhoso no momento. Nos demais casos seria impossível a liberação do "PERDÃO". No  entanto nenhum mereceria ser perdoado, em uma ótica radical. Porém, o que proferimos na oração do PAI NOSSO é que, ambos deve ser perdoados. O sentimento do "PERDÃO" é algo que precisa ser sentido e colocado em prática. Este é um dos sentimentos que não pode ser medido pela gravidade do fato ou fatos. Ou seja,  eu perdoo o Claudio, mas quero mais é que ele morra como ele matou meu entequerido. Ora, que "PERDÃO" infame é esse? Quem perdoa realmente, não dezeja o mal. Pode até não querer se aproximar de tal pessoa, isso é natural por diversos motivos, mas a querer vê-lo recebendo a paga com o mesmo mal que tenha feito, é no mínimo deshumano. Ainda exeste quem diz: ...Eu o perdoo, mas da boca para fora, ainda os que perdoam com os lábios, mas não de coração. Estes no caso dizem haver perdoado a pessoa em questão, contudo continuam guadando um terrível rancor, mágoa, antipatia entre outros sentimentos expúrios. O que nesse caso o dito perdoador com os lábios, está cometendo não só o engodo, mas como também a injustiça consigo também.
Oras, se eu digo perdoar uma determinada pessoa, mas, continuo com ressentimentos indesejáveis, na certeza, não o perdoei-a. Porém, é preciso se lembrar, que tenho o direito em liberar o "PERDÃO"  `referida pessoa, e não querer mais andar com a mesma, e cortar o relacionamento com ela. Mas, também é preciso lembrar que ao cortar o relacionamento, não fique guardando ressentimentos, tão pouco, alimentando raivas, ódios, mágoas e outros sentimentos.
O verdadeiro perdão, e liberado de coração, alma e espirito. Nunca jamais se deve estar martizando tal pessoa por algo perdoado. Tanpouco levá-lo à tribuna invisível aos olhos carnais, mas, visível aos olhas espirituais. Meu Pastor sempre comenta uma frase que acho de muito valor. Ele sempre comenta que para entendermos os projetos divino, temos que sair da visão material e entrarmos na espiritual. Assim também se deve ser feito no caso do perdão, porque só assim teremos a condição em liberar o "PERDÃO" de ofensas recebidos, sem no entanto ficar alimentando lembranças desagradáveis.
Posso dizer isso por esperiência própria. Sou uma pessoa muito esigente nessa área, na criação de meus filhos aprendí muito sobre esse sentimento. Quando os mesmos cometiam algo de desagradável em minha otica, sempre os repreedi com firmaza, contudo só o fazia uma única vez, exceto se repetissem o mesmo equívoco, então voltava a corrigí-los, mas dessa vez, com mais rigor.
Minha filha engravidou ainda adolcente, e para dizer a verdade foi nessa esperiência que mais Deus trabalhou meu égo sobre o "PERDÃO". Pois tive de lidar com dus situações, o da  gravidez prematuro, e o da mamy dela quanto ao fato do tratamento devido ao assunto. 
Eu não podia jamais repreender minha filha por um ato sem retrocesso, tão pouco poderia entrar em confroto direto com minha então eposa e mãe dela, que era por sua vez muito esigente e sem conhecimento de uma causa nesse primórdio, não que eu fosse um ex-esperte no assunto, contudo, mais esclarecido e calmo para uma situação não só como essa mas, todas as que oferecem perigo ou que nos acontece num momento inesperado.
No caso da gravidez prematura, não havia mais retorno ao passado, no entanto não adiantaria mais nada eu ficar charamingando o leite derramado e martirizar minha filha uma adocente grávida, uma situação de susto, incerteza, isegurança e duvidas diversos. Agoar o que ela estava precisando era nada mais que uma família de verdade, um pai amigo, uma mãe amiga e uma irmão amigo. O pai e o irmão ela teve desde os primeiros instantes, já a mãe entrou em parafusos juntamente com a filha. "E não seria pra menos em se tratando de única filha, primeira, xodó, tesouro, e tudo mais para uma mãe agora desnorteada. Não que para o pai e o irmão não fosse tudo isso e mais um pouco. O fato é que em meu caso como pai, não mais me restava nada a fazer que não agora aconchegar minha preciosidade em meus seios como fizera "DEUS" comigo nos momentos angustiosos de minha vida.
Como não tinha eu como retribuir a Ele o que receberá, descarreguei toda minha copreensão direção à miminha filha. Percebí que só fazendo assim, estaria livrando o mundo da existência de mais um dalinquênte, e mais que isso, estaria livrando mais uma vida de ser atirado na rua da amargura, por falta de temos, compreenção, amor e "PERDÃO". Dei à ela o que talvez nunca teve em todo seus 15 aninhos de vida. "colo, ombro, amizade, carinho, conforto, reconhecimento, transparência, e acima de tudo, "AMOR e COMPREEÇÃO" em dobro.
Já no segundo caso, foi mais delicado. Tive que trabalhar o égo de sua mamy, que agora desnorteada tanto quanto a filha, senão mais ainda. Me foi preciso muito cautela, para não dar de encontro com seu égo ferido e deixá-la mais ferida ainda. Todos os pensamentos de decisão errôneos, tinham de serem trabalhados com muito cuidado, para não cometer um erro pior que o primeiro, e assim nos causar um trantorno danado.
O pior em tudo isso, é que, nesses momentos o inimigo nos coloca pensmentos dos mais deconectos possível, para nos desistruturar mais que pode, e assim nos deixar frágeis a ponto de cometer desatinos mais desagradáveis ainda.
Mas, confesso, que "DEUS" sempre me foi por guardião de minha vida de um modo geral, sempre esteve presente em meus pensamentos, até os mais impuros Ele esteve presente. Por esse motivo tive forças agora mais que nunca em liberar o verdadeiro "PERDÃO", não só à minha preciosidade, mas, ao homem que se deixou escorregar também. Confesso que no caso dele me foi mais penoso, porém posso agora dizer que "DEUS" esteve e está comigo todos os dias de minha vida a té a presente data.
Com esse pequenino depoimento, quero lhe dizer que o referido sentimento, é preciso ser tratado e encarado por nós de um modo corajoso, pois se não fizermos assim, jamais conseguieremos liberá-los aos que mais precisam.
Até o momento os que mais precisaram foi os aquí mensinonados. "Em minha ótica". Mas aos ólhos do espirito, talvez que mais tenha precisado do perdão tenha sido eu!
Confesso de coração puro, que não guardo nenhum tipo de rancor, nem de minha preciosa filha, tão pouco de hoje seu marido, tão pouco tenho isse episódio como uma desgraça, esim como uma graça de "DEUS". É, foi uma verdadeira obra de "DEUS". Hoje tenho um neto maravilhosos, obediente, estudioso, sábio, inteligente, amigo, filho, conselheiro, companheiro. Enfim, meu neto e nada mais que uma extensão de minha descendencia e com muito amor e valor.



Caso, você tenha gostado, e, queira colar, sinta-se a vontade, mas, atribua o crédito ao escritor do assunto!


Ecrito por:

***FRANCIS DE MELLO***   

2 comentários:

  1. Me emocionei muito, me fez reviver meus momentos. Sou grata ao meu paizinho querido a cada minuto que esteve presente na minha gravidez, as visitas ao medico, aos meus desejos... Isso eu nao me canso de dizer a todos. O pai maravilhoso e comprensivo que tenho. a pessoa mais especial desse mundo pra mim. Alguem que sempre me apoiou mesmo quando todos estiveram contra mim. O homem sabio que me mostrou como Jesus e maravilhoso, e como encontramos uma luz sempre na escuridao.
    Te amo meu paizinho querido. Tenho orgulho em ser sua filha.

    ResponderExcluir
  2. Para falar bem a verdade, nunca jamais havia pensado que um dia esse episódio viria ser contado em qualquer lugar, muito menos num blog.
    Mas, Deus é sabedor de todas as coisas.
    E com esse conto vemos o quanto Deus trabalha de verdade em nossas vidas.
    Sou testemunha ocular e viva dessa vitória, vivia sempre com medo de algo acontecer com o pai de meu neto, e é claro com meu marido! Mas Hoje somos gratos a Deus definitivamente, temos um belo e inteligente neto que Deus nos presenteou, e por esse motivo nunca esquecerei de agradecê-Lo para sempre e todos os dia de minha vida!

    ResponderExcluir