Follow by Email

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

"A LUTA CONTRA O VÍCIO"

Há pessoas lutando contra vícios, tabaco, o álcool... Mas, a pior luta, é contra uma língua incontida e quando não é domada, pode ser um mundo de iniqüidade, pois é perigosa, é danosa.
É por isso que, muitas vezes, a pessoa passa anos e anos, e diz:
‘Eu nunca vi a bênção de Deus na minha vida’,
‘Eu nunca vi um sinal de Deus na minha vida’,
‘Eu nunca vi prosperidade’.
Porque ela pode ter uma vida espiritual boa, dedicada, mas, paralelamente, uma língua indomada, carregada de veneno mortífero.
Eu tenho visto pessoas que parecem santas, outras que parecem amáveis, gentis, amorosas, mas vivem com uma língua felina, espalhando mexericos.
Sabes o que acontece com essas pessoas?
Tudo que elas fazem é em vão, não serve para nada!
Ora, com a minha língua, posso anular anos de trabalho, de sacrifício, de esforço...
Se eu tenho uma língua carregada de veneno mortífero, na realidade, o meu coração está doente. É preciso entender, que este é um problema de vida ou de morte!
Sabes quantos casamentos foram destruídos por causa de uma língua desenfreada?
Quantas esperanças foram mortas por causa de uma língua venenosa?
Quantos bons amigos já foram separados por causa de um mexeriqueiro?
A felicidade está em conseguir reprimir a língua do mal. Não fales ardilosamente contra alguém. Há pessoas que ofendem despreocupadamente. Outras são fofoqueiras, caluniadoras, e isto não é um mau hábito, uma fraqueza, como pode parecer à muitos, isto é o resultado de um coração sujo e mau.
se tu te queixas, reclamas, fazes fofocas, mentes contra alguém, tens um sério problema de coração.
Toda pessoa que se envolve em conversas não edificantes, mas destrutivas, às vezes, tem a coragem de dizer:
'eu disse, mas não foi por mal’. Mas já disse!
‘Ah, eu falei, mas eu não quis prejudicar ninguém'; mas já prejudicou!
O segredo da vitória sobre uma língua incontrolável está na intimidade com Deus, e, naturalmente, em desejar esta mudança.


Escrito Por:
***FRANCIS DE MELLO***

Nenhum comentário:

Postar um comentário