Follow by Email

quarta-feira, 22 de maio de 2013

"CRACK E A SOLIDARIEDADE PAULISTA"


Crack e a solidariedade paulista!

Texto de; Ronaldo Laranjeira





A dependência química é uma doença crônica do cérebro e que pode recidivar, ou seja, a assistência médica e psicológica não garante 100% de cura. É também uma doença complexa e, no caso do crack, pode ter frequentemente um final trágico. Pesquisas da Unifesp mostram que mais de 30% dos usuários morrem no curto prazo. Natural, portanto, as discussões em torno da melhor maneira de efetuar o tratamento.
O consumo de crack se alastrou particularmente na última década, com o notório aumento do número de dependentes em diversas capitais brasileiras e cidades médias do interior. É uma droga sabidamente devastadora, que provoca alterações na estrutura do funcionamento cerebral.
Não existe uma fórmula para se tratar igualmente todos os dependentes de crack. Muito embora o cérebro do usuário possa ser reparado, o atendimento requer múltiplos recursos e a recuperação é, normalmente, de longo prazo. Há pessoas que chegam a passar cinco, sete anos sem crack e recaem no uso da droga, muitas vezes incentivados por algum fator externo, como decepções e outros problemas de fundo emocional.

O governo do Estado de São Paulo, reconhecendo a questão do crack como sério problema de saúde pública, implantou uma política de enfrentamento ousada e ao mesmo tempo polêmica. O Estado colocou o dedo na ferida e decidiu agir. A omissão do poder público, de longa data em todas as esferas do SUS (Sistema Único de Saúde), deu lugar, em São Paulo, ao compromisso inequívoco de adotar medidas urgentes e necessárias para proteger os usuários e seus familiares.
Algumas experiências realizadas nos últimos anos pela Secretaria de Estado da Saúde, e que se mostraram satisfatórias no tratamento de dependentes químicos, vêm sendo articuladas e gradativamente expandidas para todo o Estado, no sentido de integrar e fortalecer uma rede composta por Caps AD (Centros de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas), programas ambulatoriais, hospitais-dia, prontos-socorros de psiquiatria, enfermarias especializadas, moradias assistidas, comunidades terapêuticas e serviços de reinserção social.
É o princípio de uma longa jornada, mas percebe-se, em São Paulo, uma positiva movimentação que já começa a dar resultados. Após ampliar a rede de leitos de internação e assistência multiprofissional para dependentes químicos pelo SUS, que hoje somam 910 vagas e chegarão a 1,2 mil até 2014, o governo uniu Judiciário, Ministério Público e Ordem dos Advogados do Brasil em um Plantão Judiciário montado no Cratod (Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas), unidade de saúde estadual vizinha da Cracolância, para acelerar os processos de internação involuntária e compulsória, previstas em lei federal, em casos de extrema gravidade e necessidade.
A internação “à força”, como é conhecida, não é um ato de cárcere-privado, mas de solidariedade, coerção com compaixão, que visa tentar salvar a vida de quem, no auge da sua dependência, não consegue discernir sobre quão grave é seu estado de saúde. Na Suécia, 30% do tratamento psiquiátrico é compulsório. Os EUA têm pesquisas que demonstram a eficiência desse tratamento e a classe média brasileira já adota isso há muito tempo. Por que não estender esse benefício também aos mais pobres?
O efeito colateral do Plantão Judiciário foi uma corrida de familiares de usuários de crack ao Cratod. Ali eles enxergaram uma esperança, uma mão estendida. Até 4 de março, segundo números disponibilizados pelo governo, foram 12.251 ligações ao serviço (quase 300 por dia), 2.370 acolhimentos e 319 internações, das quais 23 involuntárias. O governo abriu mais leitos para atender à demanda. E ainda encontra a resistência de muitas famílias, que veem na internação a única saída para os dependentes, quando na verdade é o último recurso.
São no mínimo precipitadas certas conclusões sobre a condução da nova política estadual de combate ao crack em São Paulo. Somos o único estado que está criando uma rede assistencial, com qualidade e diversidade, e com um foco claro de apoio aos familiares. O caminho é longo e tortuoso. Ajustes e correções de rumo talvez sejam necessários. É só o começo de uma batalha em nome da vida.


RONALDO LARANJEIRA, 56, Professor Titular de Psiquiatria e coordenador da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).


Os males sem remédio da formação médica de baixa qualidade


De acordo com Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

A qualidade do atendimento à saúde é pauta para muitas discussões. Uma questão que certamente passa pela má qualidade na formação do médico. Estamos certos de que a abertura indiscriminada de faculdades de Medicina não contribui para a solução deste problema, pelo contrário, acaba prejudicando aquele que nunca deveria ser afetado: o paciente.

Contrapondo os profissionais de saúde que realizam seu trabalho com excelência, estão aqueles que não possuem a qualificação necessária para a assistência à saúde da população. E a raiz disso está na formação acadêmica. Faculdades de Medicina que cobram mensalidades caríssimas, muitas vezes funcionam sem hospital escola, com corpo docente de competência contestável e possuem falhas no planejamento pedagógico.
É importante ressaltar que além de toda a estrutura física imprescindível, a escola médica deve ter tradição para garantir uma formação efetiva, inclusive do ponto de vista ético. Não é apenas transmitindo conhecimentos teóricos e práticos que se consolida o bom profissional, é preciso ensinar também a conduta humanista, na qual a relação médico-paciente é baseada na confiança e respeito, e não somente em um atendimento frio e desinteressado.
O médico deve amar a profissão e ter em mente que seu foco não são as doenças, e sim os doentes. Valorizar o ser humano é algo que os mestres precisam frisar aos alunos através do testemunho da sua presença. Essa conduta ajuda o estudante a ter uma melhor percepção de como se deve atuar. E infelizmente algumas instituições não oferecem uma oportunidade como essa, tão fundamental.
Enquanto a quantidade de profissionais, e não a qualidade da formação, for o centro da discussão, teremos médicos que enxergam seu trabalho sob a mesma ótica, onde os pacientes não passam de números. A saúde da população deve ser levada sempre a sério, e o especialista precisa estar ciente do peso da responsabilidade que tem nas mãos.
No entanto, ainda que a situação não seja a ideal, no Brasil temos sim muitos profissionais que são motivo de honra para a classe médica, assim como instituições sérias e de renome. Orgulho-me em dizer que a Escola Paulista de Medicina da Unifesp é um dos exemplos de qualidade de ensino, pesquisa, e assistência à população. Essa tradicional escola médica, que agora completa 80 anos, foi onde me formei, ocupo o cargo de Professor Titular em Clínica Médica e agora tenho a honra de ser diretor.
O diferencial da boa escola de Medicina é justamente o resultado do empenho de pessoas que amam o que fazem e querem passar seu conhecimento adiante. Por isso é preciso que a questão seja considerada com uma maior rigidez, avaliando com critério a abertura de novas escolas médicas, para que não tenhamos que presenciar mais uma vez os vergonhosos índices de reprovação verificados nas últimas avaliações do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP).


O governo federal vem elegendo o ensino técnico como o antídoto para atenuar um problema grave que preocupa o empresariado brasileiro: a escassez de mão de obra qualificada no mercado de trabalho. A prova de que a preocupação ganhou ares vitais na administração federal é o crescimento no investimento reservado para o ensino profissional nos últimos anos. Nos primeiros dois anos do governo da presidente Dilma, foram ampliadas de 5% para 9% as despesas com o ensino técnico profissionalizante e tecnológico. Os gastos passaram de R$ 3,6 bilhões, em 2010, para R$ 7,6 bilhões, em 2012. Setenta por cento desse montante vai para a manutenção de 365 escolas técnicas e para a expansão de toda a rede. A quantidade de escolas também multiplicou-se nos últimos anos. De 2005 a 2012, foram construídas 222 escolas técnicas, com a criação de mais de 100 mil vagas para os jovens estudantes.
Priorizar o ensino técnico é uma alternativa acertada para que o país consiga se manter competitivo no comércio internacional. A globalização exige estruturas tecnológicas mais complexas para as empresas, o que demanda uma parcela importante de funcionários capacitados para a realização de tarefas que exigem conhecimentos aprofundados. A falta de mão de obra, sentida hoje, é uma profunda ameaça, até mesmo, para a instabilidade econômica. Não existem empresas competitivas sem um capital humano de qualidade que responda às demandas frequentes do mercado.

No ensino profissionalizante, o aluno aprende na prática, adquirindo a capacitação necessária para desempenhar as funções assim que sair da escola. Por isso, é grande a porcentagem de jovens que saem com o diploma técnico ou tecnológico e já ingressam rapidamente no mercado de trabalho. É o que se vê em São Paulo, com os alunos das Escolas Técnicas (Etecs) e das Faculdades de Tecnologia (Fatecs).
Apesar da maior atenção que o governo federal vem dando ao ensino técnico, o desenvolvimento tecnológico no país ainda deixa muito a desejar às nações consideradas mais privilegiadas e, até mesmo, entre os Brics – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Estamos largando atrás nesse processo, mas se os investimentos tiverem o foco correto ainda podemos dar a volta por cima e surpreender. 


Dois terços dos executivos de companhias de atuação mundial consideram que a capacidade de criar ligações internas é uma fonte de força para a empresa. De fato, as organizações sabem que podem fracassar se não estabelecerem uma boa ligação entre estrutura e processos, mesmo que sejam adequadamente estruturadas e tenham processos elaborados com cuidado.

Para tanto, os gestores devem concentrar sua comunicação, tanto regular como intermitente, em contatos que realmente fazem diferença para o desempenho de suas tarefas. Os líderes podem ajudar tornando mais fácil para seus funcionários construir conexões e comunidades baseadas na internet que sejam úteis para disseminar o conhecimento rapidamente. Eles também devem proteger os gestores da necessidade de gastar muito tempo em conversas e reuniões cujas agendas e processos de tomada de decisão são tão nebulosos que atrapalham a realização das tarefas essenciais. 
Para isso, compreender o número e o valor do momentos de comunicação de que os gestores participam é o primeiro passo para encontrar a solução mais adequada para essa questão. Atualmente, há uma grande variedade de ferramentas à disposição para ajudar, entre elas: entrevistas com funcionários; análise da rede social que mapeia a frequência e a eficiência das comunicações; e pesquisas com funcionários para a análise das conexões entre o negócio principal da empresa, as áreas funcionais e as unidades geográficas, a fim de saber porque estão compartilhando informações. A importância da informação que conseguem do ponto de vista das metas de desempenho e dos objetivos estratégicos e quão eficiente o compartilhamento tem sido.
O passo seguinte é decidir quais conexões devem ser deixadas de lado, quais é preciso manter e quais serão adicionadas. Em empresas nas quais muitas pessoas parecem perder tempo em ligações em excesso, a resposta automática dos líderes é muitas vezes clarear essa situação mexendo na estrutura (por exemplo: adicionando novas dimensões à matriz organizacional), mas isso aumenta a complexidade da empresa, assim como o custo para geri-la. Soluções mais adequadas podem surgir quando se analisa um leque mais amplo de mecanismos de ligação entre as pessoas, seus diferentes propósitos estratégicos e o que devem existir para que funcionem. Por exemplo: a ligação de coaching transfere conhecimento e contribui para desenvolver futuros líderes e, portanto, requer interações fortes, de caráter pessoal e frequentes, baseadas na verdade. Já outras conexões de transferência de conhecimento, como as que se dão por meio de documentos, podem ser bem mais fracas, impessoais e menos frequentes.
Estrutura, processos e relações são coisas interligadas: é mais fácil evitar a duplicação das estruturas organizacionais quando a empresa consegue o equilíbrio adequado entre os processos locais, regionais e mundiais.


De cara com a morte

Testo de Lev Chaim*: 
Harold bateu forte com a bengala na janela, chamando-me para dentro, quando passava por sua casa, bem cedo, levando o meu cãozinho para a sua primeira saída do dia. Eram sete e trinta de uma manhã fria de uma primavera meio invernosa. Fui encontra-lo na sala, onde estava sentado em sua cadeira de balanço. 

Harold estava doente, com câncer. Tudo começou no pâncreas e agora já havia se espalhado por todo o corpo. Era uma questão de dias ou no máximo um mês, disseram os médicos. Um outro vizinho já havia me contado isto. Entrei e disse a Harold: “Bom dia! Espero que hoje possa estar um pouquinho melhor!”. 
Ele olhou-me nos olhos: “Lev, chamei-o aqui porque estou indo embora. Vou para um asilo aqui perto..... esperar a morte”. Quando ouvi aquelas palavras tristes, diretas e duras, tudo voltou a minha cabeça, desde o primeiro momento em que o conheci. Ele tinha 65 anos, mas parecia ter 90. Apenas alguns fios de cabelo cobriam a sua careca amarelada. 
Ele já havia feito operação de bacia, colocado um prótese no joelho e, agora, bem recente, descobriram este câncer que já havia se espalhado por todo o corpo. Os médicos que o descobriram nem começaram o tratamento. Tudo já estava tomado. 
O que dizer a alguém que está morrendo? Que Deus o espera no céu? Que ele estará salvo, em algum lugar melhor do que aqui? Não. Eu respeitei a sua dignidade, mas confrontei as minhas próprias dúvidas sobre a vida após a morte. Se ele queria conversar, eu o ouviria. Ele contou-me, que às dez horas daquela mesma manhã, estaria se mudando para o asilo. “E depois?”- perguntei. 
Com os olhos baixo e a voz fraca, ele respondeu: “Vou esperar pela sua última visita”. Desconcertado e emocionado, disse que ele poderia contar com aquilo. E ai, ele falou que iria fazer uma avaliação de sua vida, neste tempo que ainda lhe restava. Ele era psicólogo de profissão, mas, havia se tornado jornalista e trabalhava para um jornal local. 
Mais de uma vez ele me havia pedido uma entrevista. Foram três vezes, para ser mais exato. Todas as vezes eu respondi que “não”. A primeira, fiquei atarantado: “O que vou dizer ali? Não sou artista ou algo parecido?”. Ai, Harold me lembrou que a entrevista seria sobre um jornalista estrangeiro na Holanda. Mesmo assim, disse que não. 
A segunda foi quando caminhávamos juntos sobre os diques à volta da cidade. Quando discutíamos alguns assuntos, não sei porque carga d’águas, ele tocou no tópico adoção e casal de homossexuais. Ai, eu disse que achava que todos tinham potencial para criar um filho, mas o ninho ideal era mesmo o ninho dos pais – o pai e a mãe. 
Ele, olhou-me bem fixo nos olhos: “Vamos fazer uma entrevista sobre o assunto, pois acho que o que você disse algo muito sério e gostaria de explorá-lo mais um pouco.” Mais uma vez, respondi que “não”: eu era apenas um jornalista, colunista, tradutor, nada mais. E, além de tudo, escrevia em português, língua que os holandeses nem falam e nem entendem. Assunto encerrado.
A terceira vez, foi de uma modo bem mais sutil. Quando assava bolo, pães-de-queijos ou alguma quitanda qualquer, sempre levava um pouquinho para ele, já que Harold morava só. Ele tinha um filho e uma filha que raramente vinham visita-lo. 
Nesse dia, havia lhe trazido um pedaço de bolo de abobrinha. Ele experimentou, gostou e tentou descobrir o que havia ali: “Nozes?” Sim. “Chocolate?” Não, açúcar mascavo! “O que são estas ervas verdes?” Abobrinha ralada...Perplexo, ele parou de comer: “A vida inteira odiei abobrinha e agora acho isto delicioso.” Começamos a rir. 
E rindo, ele perguntou a queima-roupa: vamos escrever um artigo sobre isto. Ninguém na Holanda tem um vizinho tão bom quanto eu: um jornalista ocupado, talentoso, de forno e fogão, que me fez comer uma bolo de abobrinha que eu tanto detesto. Vamos lá? Sento no computador e escrevo o artigo”. E mais uma vez eu disse que “não”. 
Agora, olhando-o nos olhos, vendo a palidez de seu rosto, senti o quanto ele havia envelhecido em tão pouco tempo. Foi ai, que lhe pedi desculpas por nunca ter lhe dado a tão desejada entrevista. E, sem ao menos pensar duas vezes, perguntei: Harold, agora, eu é que lhe peço licença para escrever sobre você, posso? 
Seus olhos pareceram adquirir um certo brilho já perdido há muito tempo. “E o que vai contar?” Vou escrever sobre um ser humano corajoso, forte, honesto, que enfrenta a morte de cara erguida, sem medo. Foi neste momento que ele se abriu num sorriso que, mais tarde, transformou-se numa gargalhada. 
E não é assim? - perguntei. Neste momento, a gargalhada sumiu e as lágrimas apareceram. Já quase sem fôlego, ele disse: “Lev, quem lhe contou que não estou com medo? Estou paralisado de medo. Não sei o que fazer, não sei rezar e, talvez, nem acredito em Deus”. Sem saber o que dizer, ofereci-me para rezar com ele. 
Para a minha surpresa, ele aceitou pedindo: “Vamos rezar em português; você diz e eu repito; assim, pelo menos, posso imaginar o que queira”. Topei e comecei em voz alta e espaçada: “Pai nosso que estais no céu...” Na terceira frase, ele adormeceu. 
Sai em silêncio e escrevi-lhe um bilhetinho: “Harold, muita força. Que Deus o proteja. Irei visitar-lhe em breve. Abraços, Lev”. E esta foi a última vez que o vi com vida. Dois dias depois, o enfermeiro do asilo contou-me que ele havia se matado no banheiro. 


*Lev Chaim é jornalista, colunista, publicista da FalaBrasil e trabalhou 20 anos para a Radio Internacional da Holanda, país onde mora até hoje. Ele escreve todas as sexta-feiras para o Diário da Franca. 



Terceirização: bom negócio para o trabalhador?

De acordo com Roberto Caldas Alvim de Oliveira

A terceirização do trabalho mediante a contratação de empresa prestadora de serviços ou de cooperativas de trabalho é questão que exige urgente normatização legal, para evitar prejuízo maior ao crescimento do nosso país.

Para melhor entender a questão, terceirizar determinada atividade laboral significa uma empresa contratar outra empresa ou uma cooperativa que disponibilizará mão de obra qualificada e especializada para a tarefa que se pretende realizar. Todas as funções e atividades de uma empresa podem ser terceirizadas, desde a segurança e limpeza, passando pela informática, projetos e vendas, até a diretoria e o próprio presidente. O importante é que esses terceirizados tenham os seus direitos trabalhistas garantidos pela empresa que os colocará à disposição da contratante, a tomadora do serviço.
Aqueles que são contrários à terceirização sustentam que o empregado terceirizado é de “segunda categoria” e sua atividade é precarizada por não ter todos os direitos trabalhistas respeitados.
Primeiramente, é de se observar o preconceito contido na expressão “segunda categoria”, pois todo o trabalho é digno e deve ser condignamente remunerado. Se o indivíduo tem um emprego e recebe pelo seu trabalho, não importa se ele trabalha para a empresa “a” ou “b”, mas sim, que seus direitos são respeitados.
Nesse sentido, o projeto de lei nº 4.330, de autoria do deputado Sandro Mabel e que tem como relator o deputado Arthur Maia, previne o desrespeito aos direitos trabalhistas e contempla a responsabilidade solidária da empresa tomadora de serviços que estará obrigada a assumir os pagamentos de salários e demais vantagens do empregado se a empresa prestadora de serviços não o fizer ou desaparecer.
O excesso de processos na Justiça do Trabalho de empregados terceirizados também não impressiona e não serve como argumento contrário à terceirização, pois as demandas continuarão a existir seja de empregado direto ou de terceirizado, pois existem cada vez mais Varas do Trabalho para receber as demandas, o que motiva o empregado a ajuizar as reclamações trabalhistas.
A terceirização traz grande vantagem aos tomadores dos serviços, pois contarão com mão de obra especializada e não terão o ônus da administração desse contingente de empregados. Para os empregados, relevante é ter um emprego digno e que seus direitos sejam respeitados, e a normatização legal desse tipo de contratação com a imposição de regras e obrigações às empresas (tomadora e prestadora de serviços) pacificará os conflitos hoje existentes e permitirá o crescimento e desenvolvimento de todos os setores produtivos do país.






***FRANCIS DE MELLO***













Nenhum comentário:

Postar um comentário