Follow by Email

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

"A PÉROLA E SUA PERFEIÇÃO; ADVÉM DE FERIMENTOS "


E nós sabemos que Deus coopera em tudo para o bem daqueles que O amam, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio. Romanos 8:28.





E nós sabemos que Deus coopera em tudo para o bem daqueles que O amam, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio. Romanos 8:28.


A ostra chata é um molusco sem cabeça, mas que possui fígado, estômago, coração, boca, intestino e outros órgãos. Sendo bivalve, tem duas tampas: a superior, chata; e a inferior, côncava. Quando se abre uma ostra com cuidado é possível ver as pulsações do seu coração.
O sangue da ostra constitui metade de seu peso e é um líquido pouco avermelhado, mas que pode também ser incolor ou azul. Algumas espécies de ostras põem entre um a dois milhões de ovos num período de 5 a 10 anos. Já a ostra da Virgínia é capaz de pôr, de uma só vez, 100 milhões de ovos.
As ostras são famosas por produzir nácar e pérolas. O nácar ou madrepérola pode ser branco, amarelo, verde ou negro, e brilha quando exposto à luz. É utilizado para fabricar botões, cabos de faca etc.
Quando um grão de areia se introduz entre o manto e a concha, a ostra o reveste com o nácar. Se o corpo estranho irritar demais o manto, este começa a produzir um nácar especial, brilhante e suave, que é a matéria-prima da pérola.
O corpo estranho que invade a ostra pode ser morto ou vivo. De qualquer modo, ele será emparedado pelo nácar e ali ficará para sempre. Algumas pérolas são depois expulsas. Mas as que se grudam demais ao manto continuam, por anos, sendo envolvidas pelo nácar e dão origem às grandes pérolas. As mais preciosas e brilhantes chamam-se "oriente". Seu brilho é devido à superposição das camadas de nácar, que facilita a passagem da luz. Quanto mais tênues e transparentes são as camadas, maior a beleza e o brilho.
As ostras fabricam pérolas com formas que variam desde a esfera perfeita até ao formato de gota, ovo, cone, barril, asa ou martelo. Calcula-se que são necessários entre dois e três anos para o surgimento de uma pérola, e as mais bonitas são as que mais desconforto causaram à ostra.
Coisas ruins podem acontecer em nossa vida. Mas Deus pode transformar o mal em bem. Depende da maneira como nós o enfrentarmos. Diante da dor alguns se revoltam e culpam o semelhante e a Deus. Como a ostra, podemos revestir o grão de areia das dificuldades com o nácar do amor de Deus, transformando-o na pérola da paciência, da perseverança e da bondade.

Pérolas e Conchas

Legenda:
A - pérola de Strombus gigas
B - a cor da pérola é uma mistura de cor e brilho
C - pérola de Tridacna gigas
D - Concha da ostra da pérola
E - Pérola Branca Natural
F - Revestimento de madrepérola
G - Cor de tijolo onde era presa à concha
H - As pérolas se formam como esferas quando o corpo estranho não é preso à concha
I - Tonalidade rosada
J - Formas irregulares podem se desenvolver se o corpo estranho for preso à concha
K - Brilho iridescente







As pérolas são feridas curadas...

... pérolas são produto da dor,
... resultado da entrada de uma substância
... estranha ou indesejável no interior da ostra,
... como um parasita ou um grão de areia.

A parte interna da concha de uma ostra
é uma substância lustrosa chamada nácar.
Quando um grão de areia penetra,
as células do nácar começam a trabalhar
e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas
para proteger o corpo indefeso da ostra.

Como resultado, uma linda pérola é formada.

Uma ostra que não foi ferida de algum modo, não produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada:

- Você já se sentiu ferido pelas palavras rudes de um amigo?
- Já foi acusado de ter dito coisas que não disse?
- As suas idéias já foram rejeitadas, ou mal interpretadas?
- Já sofreu os duros golpes do preconceito?
- Já recebeu o troco da indiferença?

Se sim, então, produza uma pérola! Cubra as suas mágoas com várias camadas de amor.

Bem poucas são as pessoas que se interessam por esse movimento.
A maioria exercita apenas o cultivo de ressentimentos, deixando as feridas abertas, alimentando-as com vários tipos de sentimentos pequenos, e portanto não permitindo que cicatrizem.

Assim, na prática, o que vemos são muitas "ostras" vazias, não porque não tenham sido feridas, mas porque não souberam perdoar, compreender e transformar a dor em amor.

As pérolas mais belas são geradas nas profundezas do nosso ser.










***FRANCIS DE MELLO***


Nenhum comentário:

Postar um comentário